Clipping

Lucas do Rio Verde: Inaugurada segunda etapa de usina de etanol de milho

Com a expansão, unidade terá a capacidade de produzir 530 milhões de litros de etanol ao ano

Nesta terça-feira (26), foi inaugurada a segunda etapa da usina de beneficiamento de etanol de milho da FS Bioenergia em Lucas do Rio Verde. O evento contou com a presença de acionistas da empresa, do vice-governador Otaviano Pivetta (PDT), do prefeito Luiz Binotti (PSD) e outras autoridades políticas estaduais e regionais, além de representantes de entidades ligadas ao agronegócio.

Em seu discurso, Bruce Rastetter, da Summit Agricutural Group, uma das empresas que compõem a holding FS Bioenergia, afirmou que é “impressionante o clima favorável” no Mato Grosso. “Ontem, quando saí dos Estados Unidos, ainda havia um pouco de neve no chão e aqui há sol abundante, oferecendo condições perfeitas para a agricultura, com duas safras, uma em sequência da outra. Estou certo de que o Brasil tem todas as condições de se tornar o país que alimentará o mundo daqui para frente. Agradeço ao Paulo e ao Marino Franz que me proporcionaram a oportunidade de conhecer esta realidade e fazer tudo isso acontecer”, afirma.

Sobre o trabalho desenvolvido e que resultou na primeira usina da FS Bioenergia em Mato Grosso, Marino Franz, em nome da Tapajós Participações, relata: “Quando começamos a planejar a construção de uma indústria que beneficiasse milho e extraísse tantos produtos, recebemos a negativa de todos os órgãos governamentais aos quais recorremos em busca de apoio e financiamento”.

De acordo com ele, ainda existia no Brasil uma percepção de que apenas a cana-de-açúcar deveria produzir etanol e que o milho era apenas comida. “Buscamos o apoio de quem detinha a tecnologia, a experiência e a vontade de investir aqui e isso tudo que vemos hoje é resultado deste esforço em conjunto”, afirma e completa: “Estamos contando o tempo para inaugurarmos em Sorriso mais uma unidade, sabemos que em Sinop e em Nova Mutum outras duas empresas também começarão a operar e isso nos dá a certeza de que este processo não tem volta”.

O vice-governador do estado, Otaviano Pivetta (PDT), lembrou em seu discurso que há alguns anos, os agricultores de milho de Mato Grosso não tinham segurança de mercado, pois não sabiam para quem iriam vender a produção.

“Dependíamos do Governo para exportar e isso exigia até mesmo articulação política. Hoje, com a agroindústria que se formou como elo na cadeia produtiva do milho, foi criada uma nova realidade sócio-econômica que mudou este quadro”, afirma e projeta: “Temos acompanhado o avanço do interesse de empresários que querem investir aqui e, em um espaço de uma década, calculamos que 20 indústrias como esta já estarão em pleno funcionamento em Mato Grosso”.

A partir de agora, segundo informações da própria multinacional, a unidade de Lucas do Rio Verde terá capacidade de processar milho suficiente para produzir, em um ano, 530 milhões de litros de etanol, 15 mil toneladas de óleo de milho e gerar 130 mil megawatts de energia elétrica. Esse volume seria suficiente para uma cidade com 55 mil habitantes, além de produzir ração para alimentar os rebanhos da região.

 

 

 


Fonte: Portal da Cidade Lucas do Rio Verde - MT