Clipping

Manejo varietal da Raízen será um dos destaques do 12º Grande Encontro sobre Variedades de Cana-de-Açúcar

Uma das ferramentas do manejo é o Programa Renovar, que extrai informações de desempenho de variedades em canavial comercial

A escolha de variedades adequadas de cana-de-açúcar visando a obtenção de resultados satisfatórios não é tarefa das mais fáceis. A Raízen utiliza o programa Renovar, que tem o objetivo de identificar uma lista de variedades comerciais ou potenciais por região de produção, indicando para cada material a melhor época de plantio, colheita e ambiente de produção – informa Hamilton Jordão, especialista em desenvolvimento agronômico do grupo.

Para definir essa lista, a Raízen conta com uma equipe de experimentação agrícola e de estatísticos, que analisa o banco de dados por meio de ferramentas de data mining. “Com essa tecnologia, é possível extrair informações de desempenho de variedades em canavial comercial, tais como Tonelada de Cana por Hectare (TCH), Açúcar Total Recuperável (ATR), fibra, perdas na colheita, doenças, florescimento, época de plantio e colheita, entre outros”, revela. A análise minuciosa desses dados possibilita estabelecer um ranking de performance por região.

Os benefícios proporcionados pelo Renovar serão detalhados por Hamilton Jordão na palestra “Manejo varietal no Grupo Raízen”, que é uma das atrações do 12º Grande Encontro sobre Variedades de Cana-de-Açúcar. Referência no setor sucroenergético, o evento ¬– que é uma iniciativa do Grupo IDEA – acontecerá nos dias 17 e 18 de outubro, em Ribeirão Preto, SP.

A Raízen possui também uma rede de experimentação em algumas unidades, que permite validar clones fornecidos por todos os programas de melhoramento, visando a avaliação dos materiais em fase de desenvolvimento – informa.

Segundo Jordão, os clones que apresentarem destaque nessa etapa são multiplicados em área comercial de até 200 hectares para validação. A partir da análise do histórico de performance de cada variedade em área comercial, robusta experimentação em diversas unidades e benchmarking com fornecedores, a Raízen estabelece o portfólio varietal de cada uma de suas unidades – afirma.

A alocação de variedades na Raízen tem ainda a finalidade de obter elevada eficiência nas operações de colheita. “Todo material escolhido para ser usado em área comercial tem sua data de colheita inserida no sistema próprio de otimização de colheita. Buscamos colher cada material na época de maior rentabilidade econômica, considerando maior TCH, ATR, rebrota de soqueira e ausência de florescimento”, detalha.

De acordo com o especialista em desenvolvimento agronômico da Raízen, o sistema de manejo varietal utilizado é o convencional, o que significa considerar a colheita dos materiais conforme o ciclo de maturação de cada variedade (hiperprecoce, precoce, média e tardia). “Variedades eretas e de boa colheitabilidade são características desejáveis”, observa.

A empresa tem realizado investimentos em inovação e tecnologia visando a elevação da produtividade agrícola, levando em conta que a alocação de variedades é determinada pela época de colheita e pelo ambiente de produção. “Praticamente 100% das áreas da Raízen possuem mapeamento de solo e ambientes de produção”, ressalta.

Durante a sua palestra no 12º Grande Encontro sobre Variedades de Cana-de-Açúcar, além de apresentar o programa “Renovar”, Hamilton Jordão abordará os contextos edafoclimático e geográfico dos nove polos de produção agrícola da Raízen, que sediam as 26 unidades produtoras do grupo. Haverá também o detalhamento do uso de estratégias de introdução de novos materiais genéticos, como Meiosi, Cantosi, entre outras.

O especialista destacará as principais variedades utilizadas pelo grupo e as que ainda estão em fase de validação comercial. O portfólio varietal é diversificado e específico para cada região. “Existem algumas variedades que são ecléticas e que estão apresentando bons resultados em diferentes regiões, como a CTC4, CTC9001 e CTC9002, do CTC; RB966928, RB975201, RB975242, da RIDESA; IACSP95-5094, do IAC; e CV0618, CV6654 e CV7870”, detalha.

Segundo ele, o censo varietal da Raízen ainda inclui variedades consagradas, como RB867515, RB92579, RB855156, entre outras. “Esses materiais estão diminuindo a participação no censo varietal, embora ainda almejamos um percentual relevante, dependendo do manejo, ambiente de produção e região”, comenta.

Formado em Ciências Biológicas pela Unicamp, Hamilton Jordão possui Mestrado em Biologia Molecular e Funcional. Atua há aproximadamente 15 anos no setor sucroenergético. Na área de melhoramento genético e pesquisa e desenvolvimento trabalhou em empresas como CanaVialis/Monsanto, Vale e uma start-up focada em desenvolvimento de variedades de cana energia, a Agn Bioenergia.

Há aproximadamente dois anos passou a atuar na área de produção agrícola, ingressando na Raízen como especialista de variedades. “Hoje sou o responsável pela escolha do portfólio varietal das unidades do grupo, diretrizes de manejo varietal e gestão de viveiros”, resume.
Conheça a programação completa do 12º Grande Encontro sobre Variedades de Cana-de-Açúcar no site www.ideaonline.com.br . As inscrições para o evento podem ser feitas até terça-feira, 16 de outubro.

Serviço
12º Grande Encontro sobre Variedades de Cana-de-Açúcar
Data: 17 a 18 de Outubro de 2018
Local: Centro de Convenções de Ribeirão Preto/SP
Mais informações: (16) 3211-4770
E-mail: eventos@ideaonline.com.br

INSCREVA-SE AQUI 


Fonte: CanaOnline