Clipping

Matriz energética brasileira está entre as mais limpas do mundo

O mundo inteiro está tendo muita dificuldade em limpar a sua matriz energética, pois é um grande desafio mexer com as fontes de energia, que normalmente precisam estar em grande quantidade disponível e ser de fácil captação.

A maioria dos países do mundo usa usinas de carvão, gás e combustível a base de petróleo para gerar eletricidade, e aos poucos vem tentando substituir esses meios tão nocivos de gerar energia, e uma prova disso são a poluição extrema na China e em algumas grandes cidades europeias e dos Estados Unidos, por outras fontes de energia, como a hidroelétrica, força de biomassa, das marés, energia eólica e solar.

O Brasil é abençoado com um dos maiores potenciais hidroelétricos do mundo, já bastante explorado, e que conta ainda com um consumo energético aquém de outros países grandes, o que confere ao país o status de um dos com a matriz energética mais limpa e mais renovável, principalmente em comparação com grandes países. Nesse artigo detalharemos isso de forma bem completa e explicativa.

Brasil tem a matriz energética mais limpa
Entre os grandes consumidores globais, o Brasil tem sem dúvida a matriz energética mais limpa, com a maior participação das energias renováveis na matriz. Quem diz isso é o relatório sobre Mercado de Energias Renováveis 2018 da Agência Internacional de Energia (AIE).

O estudo indica que o Brasil vai ter em sua matriz energética 45% de fontes renováveis em 2023. Isso se deve em muito ao álcool que alimenta os meios de transporte e as indústrias nacionais e pelo já conhecido potencial hidroelétrico do país. Esse valor é um pouco maior do que os 43% atuais.

De acordo com a EBC, o diretor executivo da AIE, em comunicado enviado ao Itamaraty disse que o Brasil é “a estrela ascendente no uso sustentável da energia”. “A enorme parcela de renováveis na matriz energética brasileira é uma fonte de inspiração para muitos países em todo o mundo.

A ênfase que o governo brasileiro tem colocado nas energias sustentáveis é única”. No mesmo documento Heymi Bahar, analista de Mercados de Energias Renováveis da AIE e um dos autores da mensagem, disse “Queremos que outros países sigam os passos do Brasil na questão dos renováveis para cumprir os compromissos do Acordo de Paris [sobre mudanças climáticas]. O país tem muito a mostrar ao mundo”.

Ainda segundo a EBC, o relatório indica que 2020 será um ano muito importante para os biocombustíveis, porque a China, um dos maiores poluidores do mundo, vai tornar obrigatória à mistura de álcool à gasolina na proporção de 10%.

O Brasil, de acordo com a Política Nacional de Biocombustíveis, (RenovaBio), recentemente regulamentada, vai garantir a aceleração nos investimentos na capacidade instalada e no fortalecimento económico da produção de biocombustíveis no país. A Índia, outro grande poluidor, também está tratando de ter uma política similar.

Ponto de situação das Energias Renováveis no mundo?
A nível mundial, o etanol e o biodiesel representam atualmente 50% do consumo de energias renováveis, mas até 2023, a previsão é de que essa participação vai diminuir um pouco, com a expansão da instalação de fontes eólicas e solares ao redor do mundo.

O relatório indica ainda que o mundo vai consumir mais energia renovável até 2023, 12,4% do total de energia consumida será desse tipo. Em termos de crescimento de consumo, as energias renováveis representarão 40% desse crescimento nos próximos cinco anos, o que demonstra de forma clara que aos poucos a energia renovável vai tomar conta da produção e consumo de energia no mundo.

O subsecretário-geral de Meio Ambiente, Energia, Ciência e Tecnologia do Ministério das Relações Exteriores, embaixador José António Marcondes declarou a EBC que o Biofuturo, iniciativa de 20 países para a redução do consumo de combustíveis fósseis, “será exemplo de política sofisticada de redução de carbono na matriz de transportes”.

Ele disse ainda que “O relatório mostra que o Brasil fez escolhas corretas, com políticas de estímulo ao uso do biocombustível, que tem expressões no plano interno, com a RenovaBio, e no plano externo, na plataforma do Biofuturo, na qual o Brasil exerce papel de liderança”.

Tudo isso significa que o Brasil está no caminho certo, e o novo governo vai ter a missão de manter as conquistas já concretas e aprofundar os esforços, para que o Brasil continue a ser exemplo de utilização de energias renováveis e esteja preparado para o futuro, já que os combustíveis fósseis não apenas são prejudiciais para o mundo e para a saúde humana, mas também porque esses combustíveis estão acabando.


Fonte: Portal Energias Renováveis