Clipping

Mercado de etanol ajuda a tornar o Brasil um grande vencedor

O mercado de etanol está se dividindo em dois, o que está tendo um grande impacto nas culturas usadas para fazer o biocombustível, milho nos EUA e açúcar no Brasil. 
Há um enorme excesso de etanol nos EUA. Isso está ajudando a diminuir os preços do milho. Os futuros de julho estão sendo negociados a uma baixa recorde e os fundos de hedge estão fazendo sua maior aposta de que as perdas continuarão. 

Por outro lado, o biocombustível está crescendo no Brasil, onde é produzido a partir da cana-de-açúcar. Com mais cana sendo desviada para etanol, isso significa menos produção de adoçante. Isso é sinal de que o mercado de açúcar pode finalmente começar a se estabilizar, e os administradores de dinheiro estão recuando de suas apostas em queda de preços. 

Os preços do biocombustível brasileiro saltaram cerca de 19% este ano. Por outro lado, os futuros de etanol de junho em Chicago caíram cerca de 1% em 2019.
A divergência decorre em parte da guerra comercial do presidente Donald Trump, depois que as tarifas de retaliação da China esmagaram a demanda por remessas dos EUA. Ao mesmo tempo, sua administração ainda está trabalhando para cumprir sua promessa de uma mudança de regulamentação que permitiria a venda de misturas de etanol mais altas durante a temporada de verão. 

No Brasil, onde o biocombustível compete diretamente na bomba com gasolina, o aumento dos preços da energia está aumentando o consumo. A indústria de etanol dos Estados Unidos ficou tão mal que a gigante de agronegócios ADM disse na sexta-feira que está pensando em fechar seus negócios de biocombustíveis depois que as margens mais estreitas de etanol estão por trás de seu maior prejuízo trimestral em cinco anos.

Como o etanol vai, então vai o milho. Os investidores continuam apostando na queda dos preços do grão, com cerca de um terço da produção norte-americana usada para produzir o biocombustível. A partir de 23 de abril, eles mantiveram uma posição líquida curta de 322.215 futuros e opções, dados da Comissão de Comércio de Futuros de Commodities dos EUA mostraram na sexta-feira. 

A cifra, que mede a diferença entre apostas em um aumento de preço e apostas em declínio, é a mais negativa desde que os dados começam em 2006. 
Ao mesmo tempo, os fundos estão recuando de suas holdings de baixa de açúcar. Os investidores tinham uma posição líquida curta de 29.666 em 23 de abril, abaixo dos 44.478 na semana anterior e na sexta queda em linha reta. 

À medida que os comerciantes se preparam para antecipar um acordo comercial EUA-China, um alívio para o biocombustível americano poderia vir de uma fonte improvável: o rival Brasil.
Com os preços domésticos do Brasil em altíssimos níveis – mesmo quando as usinas produzem quantidades recordes – as exportações de etanol dos EUA estão fluindo para o Hemisfério Sul.

Thailane Melo

 

 


Fonte: O Petróleo