Clipping

Missão comercial de Dakota do Norte visita o Brasil para explorar o mercado de etanol

Postado em 13 de Setembro de 2019

Reconhecendo a oportunidade, as autoridades estaduais do setor de comércio e etanol visitaram recentemente o Brasil para construir relacionamentos que, esperam, levarão a vendas futuras de etanol produzido em Dakota do Norte para o país sul-americano.

“Foi uma viagem valiosa para a indústria de etanol de Dakota do Norte”, disse Deana Wiese, diretora executiva do Conselho de Etanol de Dakota do Norte. “Com os aumentos significativos na demanda previstos no Brasil na próxima década, estamos otimistas de que nossas empresas serão capaz de ajudar a atender a essa necessidade. ”

Dakota do Norte é capaz de produzir 520 milhões de galões de etanol anualmente em cinco plantas. Cerca de 10% disso é usado no estado. O restante é enviado para outros estados e exportado para vários países, principalmente o Canadá, com nenhum atualmente indo para o Brasil, disse Wiese.

Os Estados Unidos lideram o mundo na produção de etanol, com seu produto feito de milho. O Brasil ocupa o segundo lugar, usando cana-de-açúcar para produzir etanol. Mesmo assim, o Brasil depende muito do etanol importado, além do que ele próprio produz. No ano passado, os EUA exportaram 1,9 bilhão de galões de etanol, 30% dele para o Brasil.

Agora, o Brasil avaliou se deve suspender as barreiras ao comércio de etanol, incluindo um imposto de 20% sobre o etanol importado, após atingir uma cota anual de 158 milhões de galões.

“O mercado brasileiro é bastante promissor, especialmente se o imposto de 20% for eliminado, e essa missão comercial nos ajudou a construir relacionamentos mutuamente benéficos com os líderes do setor de etanol”, disse o comissário de agricultura de Dakota do Norte Doug Goehring, que liderou a viagem, em comunicado por escrito.

No início de setembro, de acordo com relatórios publicados, autoridades americanas e brasileiras concordaram em aumentar a cota livre de tarifas de etanol importado de 168 milhões de galões para 198 milhões de galões. A tarifa de 20% permanece em vigor para importações além de 198 milhões de galões, de acordo com os relatórios.

De 5 a 9 de agosto, Goehring e funcionários da Midwest Ag Energy, Red Trail Energy, Conselho de Etanol de Dakota do Norte, Universidade Estadual de Dakota do Norte, Serviço Comercial dos EUA e Escritório de Comércio de Dakota do Norte viajaram para as cidades brasileiras de São Paulo e Recife . Eles participaram de palestras sobre o crescente mercado de etanol do Brasil e se reuniram com importadores e distribuidores de etanol.

O Departamento de Comércio de Dakota do Norte fez parceria com os escritórios do Serviço Comercial dos EUA em Fargo, São Paulo e Recife, e o Serviço de Agências Estrangeiras na viagem.

Lindsey Warner, diretora de marketing e eventos do Escritório de Comércio de Dakota do Norte, organizou a missão e guiou o grupo no Brasil. As empresas brasileiras de etanol visitarão Dakota do Norte no futuro, ela previu.

Outros grandes estados produtores de milho e etanol, como Nebraska e Iowa, estão mais próximos do Brasil, o que poderia oferecer aos produtores de etanol nesses estados uma vantagem de custo no envio de seus produtos para o Brasil. Mas Warner disse que não acha que será esse o caso.

O Brasil eleva a cana de açúcar desde o século XVI e o etanol é produzido há décadas. A crise do petróleo de 1973 incentivou o Brasil a desenvolver sua indústria de etanol, e vários programas governamentais ajudaram a fazê-lo.

 


Fonte: O Petróleo