Clipping

Monsanto mais próxima da Bayer

A multinacional alemã Bayer avançou mais um degrau na tão esperada aquisição da americana Monsanto. Ontem, a multinacional europeia obteve a aprovação da Divisão Antitruste do Departamento de Justiça dos Estados Unidos (DOJ, sigla em inglês) para a aquisição da Monsanto.

Falta ainda o sinal verde dos órgãos de defesa da concorrência de oito países, entre eles, Canadá e México. Mas a expectativa da Bayer ainda é que a aprovação do negócio saia até o fim deste trimestre. A venda da americana para a alemã envolveu US$ 62,5 bilhões e foi anunciada em 2016.

Os EUA condicionaram a aprovação do negócio à concretização da venda de ativos da Bayer para a concorrente também alemã Basf. No fim de abril, a Bayer assinou acordo de venda do que havia sobrado de seu negócio de sementes vegetais para a Basf, além de alguns ativos de herbicidas e tecnologia digital, por € 1,7 bilhão. Essas operações geraram receita de € 745 milhões à Bayer em 2017.

No começo deste mês, a Comissão Europeia e o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), no Brasil, aprovaram a venda desses ativos da Bayer para a Basf. Ainda faltam alguns órgãos antitruste se pronunciarem sobre essa operação, mas era no Brasil que poderia haver a maior preocupação em relação à concorrência.

Em outubro de 2017, a Bayer já havia vendido parte da área de sementes por € 5,9 bilhões também para a Basf. O primeiro pacote de venda incluiu o negócio global de glufosinato de amônio da Bayer e a tecnologia LibertyLink relacionada à tolerância a herbicidas, além dos negócios de sementes relacionados à tecnologia. Esses ativos haviam gerado receita de € 1,5 bilhão em 2017.

Após a aprovação pelo DOJ, o CEO da Bayer, Werner Baumann disse, em nota, que a empresa se aproxima da meta de "criar uma empresa líder em agricultura".

A Bayer vai ser tornar a única acionista da Monsanto Company após o recebimento das aprovações pendentes. Conforme o parecer do DOJ, a integração da Monsanto na Bayer poderá ocorrer assim que as vendas de ativos para a Basf forem concretizada. Espera-se que isso ocorra em aproximadamente dois meses.

Mesmo antes de completada a compra da Monsanto, a Bayer já anunciou como ficará a estrutura organizacional. No começo deste mês, o presidente do conselho de administração e CEO da Monsanto, Hugh Grant, informou que deixará a companhia quando a transação for finalizada. E Liam Condon, atual presidente do braço agrícola da Bayer, continuará a liderar a divisão agrícola.

Na semana passada, a Bayer também informou que os ganhos com a compra da Monsanto devem ser menores que o inicialmente previsto devido às vendas de ativos. A expectativa é que a compra adicione anualmente US$ 1,2 bilhão ao Ebitda da Bayer a partir de 2022. Antes, a expectativa era de US$ 1,5 bilhão.

Por Kauanna Navarro


Fonte: Valor Econômico