Clipping

MS é o 3º maior produtor nacional de etanol, segundo Biosul

Postado em 23 de Abril de 2019

O Mato Grosso do Sul registrou números positivos na produção de açúcar, etanol e bioenergia na última safra, de acordo com o presidente da Biosul (Associação de Produtores de Bionergia), Roberto Hollanda. Mesmo enfrentando uma crise no setor econômico, os produtores de cana-de-açúcar do Estado comemoram a safra de 2018, considerada de recuperação, pois a anterior foi marcada por grandes prejuízos por conta do clima desfavorável.

Com usinas atuando diretamente em 39 municípios, 78% no Conesul, o MS está em 4º lugar no país em relação ao volume de cana moída em 2018, totalizando 49,5 milhões de toneladas. Dos produtos da cana, o Estado é o 5º maior produtor de açúcar, onde 74% é do tipo VHP (Very High Polarization), tipo exportação, comprado fortemente no mundo árabe, Rússia e leste europeu.

Já o etanol, o MS segue sendo o terceiro principal produtor nacional, sendo que apenas 16% é consumido aqui. Os principais consumidores são do produto sul-mato-grossense são os estados de São Paulo, Minas Gerais e Paraná.

Roberto Hollanda destacou, ainda, que já estão em atuação usinas de "etanol flex". "Estão se fixando, aqui no Mato Grosso do Sul, quatro usinas que produzem etanol da cana e também do milho", afirmou.

A maior dificuldade é que a população do Estado não costuma abastecer seus veículos com etanol, colocando o MS muito abaixo dos quatro principais estados consumidores do produto. Mas houve um crescimento de 46,5%, reflexo da greve dos caminhoneiros de maio.

Uma das conquistas é a produção, completamente sustentável e renovável, da bioenergia. "Antigamente tínhamos o problema do que fazer com o bagaço da cana, agora já estamos consolidados na produção a energia a partir da queima desse bagaço. É importante pontuar que reutilizamos até a fuligem que solta, que são retidas e voltam para o campo em forma de adubo", destacou.

Foram exportados 2.586 GWh de bioeletricidade em 2018, comparando com o consumo anual do Estado, de 1.792 GWh, é quase o dobro do que é consumido acaba abastecendo outras regiões.

A Biosul também está positiva com os dados relacionados ao emprego e renda gerados pela produção, de forma direta e indireta. A cana gera segunda maior massa salarial do setor produtivo do Estado, são R$ 834 milhões de total a ser pago em salários.

Para a próxima safra, que iniciou em 1º de abril e vai até 30 de março de 2020. A perspectiva é de 819.339 mil hectares cultivados, o que gera um ganho de 1% em relação ao último ano, totalizando 76,38 toneladas de cana-de-açúcar para 2020.

Por Kamila Alcântara 


Fonte: Jornal MidiaMax