Clipping

Nissan realiza testes com o e-Bio no Brasil

A Nissan completou a primeira etapa de testes no Brasil com o e-Bio, seu protótipo de veículo movido por uma célula de combustível de Óxido Sólido (SOFC na sigla em inglês), alimentada a partir de energia elétrica extraída do nosso etanol. Justamente pela facilidade de se encontrar o combustível em todo o território nacional, o país foi escolhido pela empresa japonesa para a avaliação prática do furgão e-NV200 adaptado.
 
Os testes acontecem há pelo menos seis meses com dois veículos equipados com a célula de combustível. Nesse primeiro período, foi avaliada a utilização no dia a dia e o abastecimento na infraestrutura disponível. Nessa experiência, a tecnologia se adapta perfeitamente ao uso cotidiano e ao combustível brasileiro, segundo a Nissan.

Como funciona
A pesquisa e o desenvolvimento da célula de combustível e-Bio foi anunciada pela Nissan em junho, em Yokohama, no Japão. Como veículo, foi mostrado pela primeira vez em agosto do ano passado, aqui no Rio. O funcionamento equivale a um gerador de potência, se utilizando d a reação de diversos combustíveis (incluindo etanol e GNV) com oxigênio, para produzir eletricidade eficiente.

O protótipo com a célula de combustível abastecido por inteiro com etanol — um tanque de 30 litros — carrega uma bateria de 24kWh, que permite autonomia de mais de 600 km via propulsão elétrica, numa unidade que entrega em torno de 109 cv. O veículo ainda é capaz de funcionar com água misturada ao combustível.

O furgão é um veículo sustentável, com emissões de carbono-neutro tão limpas quanto a atmosfera, o que integra o ciclo natural do carbono. Além disso, seu comportamento prático se assemelha a um veículo elétrico, com aceleração e torque instantâneos e ausência de ruídos de motor.

Junto da célula de combustível, a Nissan trabalha no desenvolvimento de novas tecnologias de baterias de veículos elétricos, como as que equipam o Leaf, o e-NV200 e o Note e-Power.

Convém destacar que o e-Bio ainda pretende criar oportunidades regionais de produção de energia, além de utilizar a infraestrutura que já existe no país. No futuro, a Nissan pretende torná-lo ainda mais sustentável, pois o etanol misturado com água é mais fácil e seguro de manusear do que outros combustíveis. Pode vir a ser possível, por exemplo, as pessoas precisarem parar apenas em pequenas lojas de varejo para comprar combustível, o álcool comum, e fazer pessoalmente o abastecimento em casa. 

A fabricante japonesa acredita que, sem a necessidade de se criar nova infraestrutura de matriz energética, a solução tem grande potencial de crescimento de mercado. Os desafios da vez tratam de questões de viabilidade econômica e política.

Os componentes da tecnologia também precisam se adequar aos padrões encontrados em veículos comuns. O reformador, por exemplo, que comporta a câmara onde acontecem as reações com o combustível e a pilha, ainda possui um tamanho desproporcional para um veículo. Não existe ainda uma data de lançamento.
 


Fonte: O Dia Online