Clipping

Novas ameaças de Trump sobre China devem direcionar futuros de grãos em Chicago

Novas ameaças do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobre a China, e o andamento da negociação comercial entre os dois países, devem direcionar os preços futuros de soja, milho e trigo na Bolsa de Chicago (CBOT) nesta semana. As condições climáticas em áreas produtoras norte-americanas e a procura por grãos dos EUA também continuam no radar dos traders, assim como o desempenho do dólar no exterior e no Brasil.

Quanto à soja, os futuros fecharam em baixa pelo sexto pregão consecutivo na sexta-feira. O vencimento julho cedeu 1,00 cent (0,12%), para US$ 8,4225 por bushel. A queda na semana foi de 3,38%.

Investidores começam a semana preocupados com a ameaça feita pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de elevar de 10% para 25% a partir de sexta-feira as tarifas sobre US$ 200 bilhões em produtos chineses, aumentando a pressão sobre Pequim para fazer concessões nas negociações comerciais. Além disso, Trump ameaçou tarifar “em breve” em 25% o equivalente a US$ 325 bilhões em outros produtos da China e reclamou do andamento lento das discussões bilaterais.

Nesta segunda-feira, o presidente dos EUA voltou ao Twitter para criticar o que considera como injustiças no comércio internacional. “Os Estados Unidos têm perdido, por muitos anos, US$ 600 a US$ 800 bilhões de dólares por ano no comércio. Com a China nós perdemos US$ 500 bilhões”, afirmou Trump na manhã desta segunda-feira. “Me desculpem, nós não vamos perder mais!”, escreveu.

A nova rodada de negociação entre os dois países estava marcada para começar na quarta-feira em Washington. Apesar de reportes na imprensa chinesa que punham em dúvida a continuidade das conversas, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Geng Shuang, disse que uma delegação chinesa irá aos EUA, sem dar detalhes sobre datas e participantes. As declarações de Trump, entretanto, podem ter colocado em xeque os avanços das últimas rodadas.

“Não há sinal de que as negociações serão levadas a qualquer conclusão bem-sucedida num futuro próximo”, disse o Commerzbank, em relatório. “As expectativas de que as tarifas punitivas chinesas sobre as importações agrícolas dos EUA fossem suspensas – uma ampla gama de produtos está sujeita a tarifas punitivas de 25% – haviam repetidamente gerado impulso positivo para os preços nos mercados de grãos e oleaginosas nos últimos tempos.”

Segundo o analista Aedson Pereira, da IEG FNP, o mercado segue pressionado pela grande oferta global e pela demanda chinesa mais fraca. “Os estoques norte-americanos são os maiores em anos, na casa de mais 25 milhões a 27 milhões de toneladas, e os EUA não têm para quem para vender”, disse.

Conforme o analista, a fraqueza das compras da China nos EUA não está relacionada só ao embate entre os dois países mas também ao problema sanitário na cadeia suinícola chinesa. “A peste suína africana não está controlada. É uma epidemia que está se alastrando e tem risco de contaminar países vizinhos.”

Em virtude dessa conjuntura, as importações chinesas de soja totalizaram 16,749 milhões de toneladas entre janeiro e março, volume 14,4% inferior ao comprado no primeiro trimestre de 2018. “A China tem feito aquisições junto aos EUA, mas não são volumes pujantes que potencializem um suporte a preços mais firmes na Bolsa de Chicago”, disse o analista.

Conforme Pereira, em paralelo à questão de demanda está o cenário climático ainda desafiador para o plantio nos EUA. “As previsões apontam que os EUA continuarão com temperaturas baixas, níveis de umidade elevados e baixa luminosidade”, disse. “São fatores que limitam a entrada de maquinário no campo, e há o risco de migração de área de milho para soja por causa de atraso no plantio do cereal.” Conforme o analista, além dos grandes estoques dos EUA e de uma safra menor do que a do ano passado mas ainda volumosa do Brasil, a oferta argentina está aumentando à medida que a colheita avança. “Opção de onde comprar os grandes consumidores mundiais têm”, disse Pereira.

Os futuros de milho fecharam perto da estabilidade na CBOT na sexta-feira. O vencimento julho do cereal ganhou 0,25 cent (0,07%) e terminou em US$ 3,7075 por bushel. Na semana, o contrato subiu 2,84%. O milho obteve suporte do recuo do dólar no mercado internacional, que torna commodities produzidas nos Estados Unidos mais atraentes para compradores estrangeiros.

O clima adverso no Meio-Oeste dos EUA também sustentou as cotações. A meteorologia prevê mais chuvas na região nos próximos dias e possíveis alagamentos em algumas áreas, o que deve continuar atrasando o plantio de milho. Segundo o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA), produtores tinham semeado 15% da área total prevista até o dia 28 de abril. A parcela está em linha com a verificada há um ano, mas bem abaixo da média de 27% registrada nos cinco anos anteriores. Nesta segunda-feira, o USDA atualiza o avanço da semeadura. Os ganhos foram limitados, contudo, pelo recuo de mais de 1% do trigo. Os dois grãos tendem a se mover na mesma direção porque um é substituto direto do outro em ração.

O trigo terminou em queda na CBOT na sexta-feira, diante da fraca demanda pelo grão produzido nos EUA. O USDA disse que exportadores venderam 122.100 toneladas de trigo da safra 2018/19 na semana encerrada em 25 de abril, volume mais baixo do ano comercial até agora.

O clima favorável no sul das Grandes Planícies dos EUA, onde é cultivada boa parte da safra de trigo de inverno do país, também pesa sobre os negócios. Em seu último relatório de acompanhamento de safra, na segunda-feira passada, o USDA disse que 64% da safra de trigo de inverno do país apresentava condição boa ou excelente, uma melhora de 2 pontos porcentuais ante a semana anterior. Na data correspondente de 2018, apenas 33% da área cultivada tinha condição boa ou excelente. Na CBOT, o vencimento julho do trigo caiu 6,00 cents (1,35%) e fechou em US$ 4,38 por bushel. Na semana, a queda foi de 1,02%.

Café: contratos recuam 4% na semana

Os contratos futuros de café arábica apresentaram desvalorização de cerca de 4% (350 pontos) na semana passada na Bolsa de Nova York (ICE Futures US), base vencimento julho de 2019. As cotações encerraram na sexta-feira, a 90,60 centavos de dólar por libra-peso. No período, os contratos marcaram máxima de 95,10 cents (terça, dia 30) e mínima de 90,50 cents (sexta, dia 3).

O Escritório Carvalhaes, tradicional corretora de Santos (SP), destaca em boletim semanal que o mercado físico brasileiro continua comprador para todos os padrões de café e os mais procurados são os arábicas de boa qualidade a finos. “Os baixos preços no mercado não animam os produtores a fecharem vendas em maiores volumes, mas pouco a pouco os negócios vão saindo”, comenta Carvalhaes.

Conforme a corretora, os trabalhos de colheita já começaram em muitas regiões produtoras do Brasil e os cafeicultores que ainda têm café da atual safra estão encaminhando seus lotes para o mercado. Precisam desocupar as tulhas para dar espaço aos cafés da nova safra e fazer “caixa” para os trabalhos de colheita.

Carvalhaes explica que, como a nova safra é de ciclo baixo e a cada ano aumenta o número de produtores que adota a “safra zero”, também não é pequeno o número de cafeicultores que está comercializando a atual safra 2018/2019 devagar e com muito cuidado. “Eles não precisam desocupar as tulhas e não vão ter um pico de despesas. Optaram por aguardar melhores preços para os cafés que ainda não venderam”, informa.

Diversas regiões começaram a colher mais cedo por causa das várias floradas que tiveram e do forte calor do último verão. O calor acima da média levou os frutos das primeiras floradas a amadurecerem precocemente e, já em passa, a caírem ao chão. O tradicional período de seca ainda não começou e chuvas continuam caindo em várias dessas regiões. Segundo Carvalhaes, essas chuvas derrubam mais frutos, interrompem e encarecem os trabalhos de colheita, além de prejudicar a qualidade do café que já está no chão. “A má qualidade desses primeiros cafés derrubará ainda mais a renda dos cafeicultores em um ano de safra baixa e preços ruins”, estima Carvalhaes.

Açúcar: mercado deve acompanhar dólar e dados da Unica

O mercado futuro do açúcar demerara na Bolsa de Nova York (ICE Futures) volta a atenção para as novas estimativas e dados de oferta. A expectativa de fornecimento satisfatório, podendo até resultar em excedente global, pressionou as cotações do adoçante na semana anterior. Entre 26 de abril e 3 de maio, o vencimento julho recuou 5,05%. No último pregão, o vencimento julho perdeu 22 pontos (1,80%) e terminou a 12,01 cents/lb, nível mais baixo desde 7 de janeiro.

Na terça-feira, 7, às 9 horas, a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) vai divulgar o primeiro levantamento da safra de cana-de-açúcar 2019/20. No decorrer da semana, a União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica) deve divulgar os números da produção, moagem e processamento de cana no Centro-Sul do Brasil referentes à segunda quinzena de abril. O último relatório da Unica apontou um recuo de 38% no volume de cana-de-açúcar processado pela usinas e destilarias da região na comparação anual da primeira quinzena de abril.

Ainda em relação à oferta brasileira, o comportamento do dólar ante o real também pode influenciar as cotações do adoçante nesta semana. A recente volatilidade tem afastado investidores do ativo. Incertezas na política e economia brasileira, especialmente quanto ao andamento da reforma da Previdência, têm puxado o fortalecimento do dólar no mercado doméstico.

A valorização da moeda norte-americana ante o real torna as exportações mais atraentes para as usinas brasileiras, o que pode resultar em um incremento momentâneo na oferta global.

 

 


Fonte: Estadão Conteúdo