Clipping

Nutrição do canavial será a área que receberá mais investimentos do setor em 2019

Melhoria da disponibilidade de nutrientes aumenta a produtividade e a longevidade do canavial, minimiza a quantidade de reformas e replantios, reduzindo custos ao longo do ciclo da cultura

Os mais de 250 profissionais do setor que participaram da 1ª Reunião Canaplan de 2019, realizada em 17 de abril em Ribeirão Preto, SP, participaram de várias enquetes durante o evento. Uma das questões abordou a questão sobre qual área da produção o setor mais vai investir em 2019? Quem ganhou foi o item nutrição, com 38% dos votos.

Essa preferência pelo aumento de investimentos na área de fertilização, mostra que o setor passou a ver a nutrição adequada da planta como uma importante ferramenta para alcançar o maior potencial da cana-de-açúcar.

Segundo informações da Yara Brasil Fertilizantes sobre o uso de Macronutrientes, a exigência de nutrientes varia de acordo com a produtividade esperada e com o ciclo da cana. Na cana-planta, geralmente a extração de nutrientes é maior que na cana-soca. No entanto, a cana-planta se beneficia mais da mineralização do Nitrogênio orgânico do solo. Portanto, para produzir a mesma produtividade, a demanda de fertilizante nitrogenado é maior para a cana-soca do que para a cana-planta. 

Existem diferenças significativas no uso de nutrientes entre as variedades, particularmente no que diz respeito à extração de nitrogênio, e essas necessidades precisam ser levadas em conta regionalmente.

O Nitrogênio é necessário em grandes quantidades e o seu fornecimento ajuda a maximizar a produção de massa seca e produtividade. O pico de demanda de nitrogênio ocorre durante o perfilhamento e máximo crescimento. As exigências de N total variam muito de acordo com a variedade, reservas do solo (que podem ser altas), estágio de crescimento, se existe cultivo de leguminosas na entressafra, etc.

Em geral, em torno de 100kg de N por 100t de colmos na cana-planta e 85kg N por 100t de colmos nas soqueiras são extraídos pela parte aérea (ver tabela abaixo). Porém, a exigência das plantas, demanda de fertilizantes, para a cana-soca é a mesma ou mesmo maior do que na cana-planta.

O Fósforo é exigido no início de desenvolvimento das plantas para assegurar um adequado crescimento de raízes e para impulsionar perfilhamento. As culturas extraem em torno de 15-20kg de fósforo para cada 100t de cana. Uma prática comum é aplicar fósforo para a cana-planta no plantio ou logo após o plantio, mas existem evidências crescentes de que o fósforo também é importante em cada soqueira para a rebrota.

O Potássio é necessário em grandes quantidades, em maiores quantidades que o nitrogênio. A extração da parte aérea é em torno de 175kg de potássio por 100t de cana-de-açúcar no ano de plantio, caindo para 135kg de potássio por 100t de cana nas soqueiras. A maioria do potássio é alocado nos colmos e o pico de demanda de potássio ocorre durante a fase de máximo crescimento quando a extração é mais rápida do que em qualquer outro nutriente. 

Uma quantidade significativa de Cálcio é extraída no início de desenvolvimento da cultura, sendo importante no enraizamento e integridade de células. Em comparação, o Enxofre e o Magnésio são extraídos gradualmente e em estágios mais tardios de crescimento, a maior parte fica alocada nos colmos e são importantes para a qualidade da cana. Os suprimentos desses nutrientes são necessários para manter um bom desenvolvimento das plantas e garantir alta produtividade de colmos. 

SOBRE MICRONUTRIENTES

Embora os níveis de micronutrientes necessários para satisfazer o crescimento das plantas e impulsionar a produtividade sejam muito menores, todos eles desempenham papéis importantes no crescimento inicial. Os micronutrientes-chave extraídos em maiores quantidades são ferro e manganês.

Eles asseguram crescimento livre de estresse, melhorando a performance fotossintética e a produtividade da cana. 

Os níveis de ferro nas plantas variam significativamente dependendo do suprimento do solo e deficiências são raras. A maior parte do ferro é encontrado na palha e nos ponteiros.

Boro e zinco – mesmo sendo necessários em menores quantidades, possuem funções específicas no desenvolvimento de novos tecidos vegetais. Esses nutrientes são cada vez mais aplicados durante o início da rebrota para assegurar um bom enraizamento e perfilhamento.

Embora sejam exigidos em baixas quantidades, existem evidências de que é preciso prestar mais atenção ao molibdênio, particularmente para assegurar que o nitrogênio seja totalmente utilizado pela cultura.

 


Fonte: CanaOnline