Artigos

O berro do boi chacoalha o câmbio - Por Prof. Dr. Marcos Fava Neves

Minha Leitura e Conversa dos Fatos e Impactos do Agro em Maio de 2017

Números da nossa economia no primeiro trimestre viram para o azul, depois de muito tempo no vermelho, o otimismo havia voltado, não fosse o berro do boi, que comento ao final.

Tivemos o oitavo anúncio de safra da CONAB, que agora estima uma colheita de 232,02 milhões de toneladas. São mais de 4 milhões de toneladas acima do anúncio de abril. Em se confirmando, teremos uma safra 24% maior que a anterior, que foi de 186,61 milhões de toneladas. Houve também aumento de 3,5% na área total cultivada, chegando a 60,4 milhões de hectares;

Na soja a estimativa pula agora para 113,1 milhões de toneladas, quase 3 milhões acima da estimativa anterior e 18,4% a mais que a safra 2015/16 (95,4 milhões de toneladas);

No milho teremos um total de 92,83 milhões de toneladas, 1,5 milhão a mais que a estimativa anterior. Deste total 30,15 milhões de toneladas são de verão (17,1% a mais que 2015/16) e a explosão mesmo veio na segunda safra, que pula para 62,68 milhões de toneladas, 53,7% a mais que a “safrinha” 2015/2016;

Algodão também terá crescimento de 15%, pulando para 1,48 milhão de toneladas de pluma;

O índice de preços de alimentos da FAO/ONU, que monitoramos nesta análise mensal, praticamente não variou no relatório de maio;

A nova estimativa do valor bruto da produção na safra 2017 no país teve queda principalmente pelo recuo dos preços dos grãos e da pecuária. Estamos agora com R$ 544,9 bilhões, R$ 5,5 bilhões menos que a estimativa de fevereiro, mas ainda 4,4% acima de 2016.

São 21 produtos agrícolas com VBP esperado de R$ 374,6 bilhões (R$ 3,7 bilhões a mais que no mês anterior e 10,2% acima de 2016. Na pecuária, que tem cinco produtos, a estimativa caiu para 170,3 bilhões (era de R$ 179,5 bilhões no mês anterior e foi de R$ 181,8 bilhões em 2016.

A soja gerará de renda R$ 116,7 bilhões, a cana R$ 77,4 bilhões e o milho R$ 49,8 bilhões. Bovinos ficam com R$ 68 bilhões e frango com R$ 48,2 bilhões.

As exportações do agro em abril chegaram a US$ 8,67 bilhões, 7,3% maiores que as de abril de 2016 (US$ 8,08 bi). As importações do agro foram da ordem de US$ 1,09 bilhão, um aumento de 11,8% na comparação com abril de 2016. Com isto, o saldo da balança do agro foi de US$ 7,58 bi (6,7% maior que no mesmo mês de 2016).

Os demais produtos brasileiros fora do agro tiveram um salto de 23,6% nas exportações (US$ 7,30 bi em abril de 2016, para US$ 9,02 bi em 2017), o que levou a participação do agronegócio a alcançar 49,0% em relação ao total exportado pelo Brasil no mês. Este resultado trouxe um saldo da balança comercial total brasileira em abril de US$ 6,97 bi, um incrível crescimento de 43,3% em relação à abril de 2016.

No acumulado do ano, as exportações do agro alcançaram US$ 29,2 bilhões, um crescimento de 3,8% em relação ao mesmo período de 2016. O saldo da balança do agro foi de US$ 24,3 bi, apresentando aumento de 1,0% em relação ao mesmo período de 2016.

Nosso grande balizador agora é acompanhar o clima e o desenrolar da safra nos EUA;

Tirando a confusão destes dias com a delação dos controladores da JBS, meu viés para os grãos é altista, pois as variáveis que estão na mesa neste momento tem mais chances de pender mais fortemente para este lado. Portanto, eu não venderia.

Sobre a delação: mais confusão num Brasil confuso. Dólar subiu e derrubou algumas commodities onde o Brasil é grande exportador, mas acredito que volte em breve ao estágio em que estava pré-crise política. Os mercados aprenderam a separar a condução da economia brasileira com a sequência de escândalos políticos. Porém, isto tudo é lamentável. Não dá para ver ainda a dimensão do estrago político, pois o material vem sendo analisado neste momento.
 
Marcos Fava Neves é Professor Titular da FEA/USP, Campus de Ribeirão Preto. Em 2013 foi Professor Visitante Internacional da Purdue University (EUA) e desde 2006 é Professor Visitante Internacional da Universidade de Buenos Aires. 


Fonte: Marcos Fava Neves