Clipping

OMC atesta peso das exportações agrícolas brasileiras

Novo levantamento da Organização Mundial do Comércio (OMC) confirmou a consolidação da participação do Brasil no mercado mundial de produtos do agronegócio. Segundo o trabalho, em 2017 o país continuou a liderar as exportações de soja, açúcar, carne de frango e tabaco. Itens que não fazem parte do levantamento, como café e suco de laranja, também têm no Brasil o maior exportador mundial.

A liderança brasileira em oleaginosas – grupo que inclui a soja, carro-chefe do agronegócio nacional – foi ampliada no ano passado, quando as tensões comerciais entre os EUA e a China começaram a afetar as trocas entre os dois gigantes. Nesse contexto, a fatia do Brasil aumentou de 32,7%, em 2016, para 40,0% das exportações totais em 2017. Já a participação dos EUA caiu de 37,2% para 29,8%, e a da argentina diminuiu de 6,1% para 4,5%.

Na safra 2017/18 como um todo, como já informou o Valor com base em dados do Departamento de Agricultura dos EUA (USDA), a participação brasileira nos embarques totais de soja em grão aumentou para quase 50%. No farelo de soja, conforme os dados da OMC, o Brasil foi o segundo maior exportador no ano passado, com 17,3% do total, atrás apenas da Argentina, que respondeu por 35,5%.

O domínio brasileiro no mercado mundial de açúcar aumentou em 2017. A participação do país chegou a 53,8%, ante 48,9% em 2016. O país também se manteve como maior exportador de tabaco do planeta, com fatia de 14,1% em 2017, ante 14,4% no ano anterior.

No caso das carnes, mostra a OMC, o Brasil encerrou 2017 como maior exportador de carne de frango do mundo, com fatia de 34%, ante 35,3% em 2016, e na segunda colocação no caso da carne bovina, onde a participação subiu de 16,2% para 17,4% na comparação. A Índia permaneceu em primeiro lugar na carne bovina, com fatia de 18,9%, graças a seu rebanho de búfalos. Na carne suína o Brasil ficou em quarto lugar entre os maiores exportadores, com 9,7% do total, pouco menos que em 2016 (10,9%). O país também foi o oitavo maior exportador de animais vivos em 2017, com 3% do mercado, ante 2,4% em 2016.

As exportações de algodão representam 10,4% do total mundial, ante 10,9% em 2016. O país foi o quatro maior exportador em 2017, quando os EUA consolidaram sua liderança, com 40% do mercado, ante 34% em 2016. O país continuou a ser o 16º maior exportador de frutas e legumes, com apenas 1,9% do mercado mundial, ao passo que no arroz a participação foi de 1,6% no ano passado.

Por Assis Moreira


Fonte: Valor Econômico