Clipping

Paineiras investe R$ 8,5 milhões para iniciar sua 109ª safra

Postado em 9 de Junho de 2021

Ao concluir investimentos ambientais da ordem de R$ 8,5 milhões, a Usina Paineiras iniciou sua 109ª safra anual na última sexta-feira (28), em Itapemirim (ES). Os investimentos demonstram o fortalecimento da indústria neste momento em que o mercado internacional de cana-de-açúcar apresenta boas perspectivas de remuneração inclusive para os produtores rurais da matéria-prima, de quem a empresa compra 100% do que beneficia em seu parque industrial.

 

Os investimentos foram desenvolvidos conforme orientações técnicas determinadas pelo Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema). O maior deles, de R$ 6,5 milhões, foi a adequação das caldeiras 3 e 4, com a construção de dois lavadores de gases. Essas novas estruturas garantem que os teores de material particulado lançados na atmosfera estejam dentro do limite estabelecido na resolução 436/2011 do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama). 

O segundo investimento, de R$ 2 milhões, foi a construção de mais de 10.000 metros de canalização da vinhaça, que é o principal resíduo da produção do álcool (e, rico em potássio, é aproveitado como fertilizante natural nas lavouras de cana-de-açúcar em terras da usina atualmente arrendadas. Ambos investimentos começaram a funcionar no último dia 28.

Safra melhor em volume e preços

A safra deste ano deve ser melhor do que a do ano passado, em volume e preços (os preços continuam em alta no mercado internacional, impactando diretamente os preços no mercado brasileiro).

Em 2021, a usina planeja receber 650 mil toneladas de cana-de-açúcar, para produzir 28.944.000 litros de etanol e 722.601 sacos de 50 quilos de açúcar. Em 2020, devido aos impactos da pandemia, a usina, que esperava moer 730 mil toneladas de cana-de-açúcar, não obteve nem 500 mil e produziu apenas 530.000 sacos de 50 quilos de açúcar e 19.000.000 litros de etanol. 

Esses números, porém, poderiam ser bem melhores. Afinal, a Usina Paineiras tem capacidade de moer 1,2 milhões de toneladas de cana-de-açúcar. Para isso, falta especialmente matéria-prima na região. Para reverter esse quadro, a indústria investe há anos em programas de incentivo junto aos produtores rurais e às demais lideranças da região Sul do estado - afinal, os ganhos em arrecadação financeira pelas prefeituras e pelos governos poderia ser muito maior do que hoje.

Por Ramon Barros

 


Fonte: Jornal Fato