Clipping

Parceria inédita digitaliza colheita de cana e conecta máquinas em tempo real

Postado em 31 de Maio de 2021

Case IH e São Martinho se uniram para instalar sinal 4G em usina de olho em maior produtividade. Monitoramento on-line traz economia de R$ 2 por tonelada processada

O Grupo São Martinho, considerado o maior do mundo em moagem de cana-de-açúcar, e a indústria de máquinas agrícolas Case IH se uniram para levar o sinal 4G para a usina Iracema, em Iracemápolis (SP), que se junta às outras três unidades da São Martinho que já tinham conectividade 100% por uma rede própria de internet implantada há três anos.

A solução permite a conexão em tempo real de máquinas e equipamentos sem a necessidade de pen-drive para captação dos dados.

“Vencer o desafio da conectividade apareceu para nós em 2015 como uma exigência para ganhar mais eficiência nas nossas operações”, diz o vice-presidente da São Martinho, Agenor Pavan, que calcula uma economia de R$ 2 por tonelada processada no custo de produção com o monitoramento online do plantio, dos tratos culturais e da colheita, o que, considerando a capacidade de moagem do grupo de 24 milhões de toneladas, representa R$ 48 milhões a menos de custos por safra.

O vice-presidente conta que, antes de optar pela rede própria, a empresa procurou operadoras de 4G, mas não identificou interesse delas em implantar o sinal nas áreas das usinas e decidiu, então, investir na rede proprietária que opera em uma frequência de 250 MHz para cobrir a sede de Pradópolis, responsável pelo processamento de 10 milhões de toneladas de cana, e para as unidades Santa Cruz, em Américo Brasiliense (SP), e Boa Vista, em Quirinópolis (GO).

Faltava, no entanto, a Iracema. A São Martinho decidiu, então, testar a solução proposta pela Case IH, antiga parceira em testes e desenvolvimento de máquinas. A montadora é associada à ConectarAgro, iniciativa que reúne indústrias de máquinas e players de telecomunicações para levar às fazendas o sinal de banda larga com os conceitos de tecnologia aberta, usando a faixa de 700 MHz, padrão global.

“Na São Martinho, já estamos na segunda safra totalmente conectada e os ganhos têm sido imensos. Estamos avançando agora, mas vimos que a decisão de investir na conectividade foi muito correta ou estaríamos com três anos de atraso tecnológico.”

Dentro da área de operações da usina Iracema foram instaladas quatro antenas com sinal 4G, com distância máxima de 15 km entre elas. O investimento total das parceiras nesse projeto não foi informado, mas a São Martinho já aplicou R$ 60 milhões na implementação do Centro de Operações Agrícolas (COA), que permite o monitoramento em tempo real das operações agrícolas nas quatro usinas da companhia.

O sinal 4G disponibilizado para a usina cobre no total uma área de 350 mil hectares, que inclui 104 mil hectares de zona rural de dez municípios ao redor de Iracemápolis, entre eles Araras, Limeira e Rio Claro. Segundo estimativas da parceria, mais de 2.700 pequenas e médias propriedades e dez grandes fazendas, que trabalham com cana-de-açúcar, pastagem e outras culturas anuais e perenes, foram beneficiadas.

Christian Gonzalez, vice-presidente da Case IH para a América Latina, diz que a revolução digital na agricultura começa a acontecer agora de forma real na ponta, ou seja, no campo. Segundo ele, com o avanço dos equipamentos conectados e com a geração cada vez maior de dados nas operações agrícolas, torna-se imperativo vencer o desafio da conectividade para que o produtor tenha as melhores informações para sua tomada de decisão.

Um estudo da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq/USP) divulgado neste mês pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) apontou que, com 90% de conectividade no campo, o valor da produção agropecuária pode aumentar em R$ 100 bilhões. Atualmente, segundo o estudo, só 23% da área agrícola brasileira possui algum nível de cobertura por internet.

Gonzalez diz que, apesar de beneficiar vários municípios, a solução de conectividade da usina Iracema não teve participação das prefeituras ao redor, mas o ConectarAgro tem planos de firmar parcerias público-privadas com municípios do Cerrado que são grandes produtores de grãos, visando levar o sinal 4G às zonas rurais.

Parceria 4.0
A parceria entre São Martinho e a Case IH começou informalmente na década de 80, após a montadora incorporar uma indústria de colhedoras de cana australiana que era associada da São Martinho. A partir daí, a usina se tornou palco de experimentação e desenvolvimento das máquinas da Case IH.

Em 2011, quatro anos após a São Martinho abrir o capital, o acordo foi formalizado para cooperação técnica e intelectual visando o desenvolvimento de novas tecnologias para o cultivo de cana. Segundo Pavan, agora, as duas empresas estão dando um “upgrade” na parceria que vai permitir a geração de novos negócios a partir das inovações da agricultura 4.0. 

 


Fonte: Globo Rural