Clipping

Petróleo em alta moderada e sem fundamento próprio não consegue segurar derretimento do açúcar

Sem exprimir fundamentos próprios no primeiro dia útil do ano, até por isso o petróleo em alta moderada não teve força para melhorar os preços do açúcar e tampouco tira fôlego da gasolina no mercado interno, ajudando o etanol, se mantida a escrita.

O barril do Brent em Londres circulou entre mais 3% e 2% nesta quarta (2), oscilando de US$ 54 a US$ 55, de carona nos ganhos do mercado de ações dos Estados Unidos, enquanto investidores ainda ignoram os cortes da produção anunciados pelos países produtores e se prendem aos dados da economia mundial em desaceleração.

O Harbor RBOB (referência internacional da gasolina) subiu 4 pontos, ou 3%, indo a US$ 1,34 o galão.
O açúcar ficou menor em Nova York (ICE Futures) em todos os contratos.

O mais importante, março, trouxe a cotação para baixo dos 12 c/lp, rompendo um piso que estava na mira há várias sessões.
A queda hoje foi de 10 pontos, a 11.93 c/lp. O superávit global de açúcar tira suporte e aponta para dificuldades do derivativo conseguir atingir os 14 c/lp mais a frente, quando a Índia entrar na sua entressafra.

O país asiático ultrapassou o Brasil como maior exportador da commodity e deverá produzir 35/36 milhões de toneladas, participando do excedente global em torno de 9 milhões de toneladas, como o visto pelo USDA.

Na usinas, a pressão sobre o etanol continua, apesar da entressafra, com preços ofertados pelas distribuidoras a R$ 2,00/litro, na faixa do observada nos últimos negócios de 2018. A gasolina opera com competitividade na bomba.


Fonte: Notícias Agrícolas (02/01)