Clipping

Pioneira no Brasil, usina começa a operar com sistema de carregamento de etanol bottom loading

O sistema foi implantado pela Raízen, pioneira neste tipo de tecnologia em usinas do setor sucroalcooleiro; o carregamento é 40% mais rápido se comparado com o sistema convencional e gera muito mais segurança nas operações.
 
São Paulo — A usina da Barra, localizada no município de Barra Bonita, interior de São Paulo, iniciou a operação, no final do mês passado, do novo sistema de carregamento de etanol bottom loading. Operada pela Raízen, esta é a primeira usina do país que conta com a praticidade e segurança da modalidade de carregamento de caminhões tanque.
 
Além da praticidade durante as operações, o sistema bottom loading - presente em 17 terminais de distribuição de combustíveis da Raízen, que licencia a marca Shell no Brasil - possui o que há de mais alto nível tecnológico no mercado e garante total segurança durante o carregamento. Diferente do sistema top loading, em que o carregamento é feito pelos bocais localizados na parte superior das carretas, o bottom loading permite que o combustível seja carregado por alimentadores inferiores.
 
Dentre os diversos benefícios para as operações, o mais importante para a Raízen é garantir a segurança de seus colaboradores. O motorista realiza o procedimento de carregamento no nível do solo, não havendo a necessidade de estar em cima da carreta. Desta forma não há possibilidade de queda e, consequentemente, a necessidade da utilização de equipamentos de segurança para realizar atividades em altura. É zero também o risco de queda de objetos no interior dos tanques e há menor geração de eletricidade estática.
 
Do ponto de vista operacional, a velocidade de carregamento com o novo sistema é muito mais eficiente. O sistema bottom loading é 40% mais rápido quando comparado ao tempo exigido pelo top loading. O bottom precisa de um minuto para carregar 2.500 litros de combustível e permite que todos os bocais de abastecimento sejam utilizados de forma simultânea, o que não acontece no carregamento convencional top loading . “O tempo gasto no carregamento é reduzido de forma bastante significativa, trazendo benefícios tanto para a empresa quanto para os motoristas”, destaca Luiz Renato Gobbo, diretor de operações de LD&T da Raízen.
 
Como o sistema permite a recuperação de vapores durante o carregamento, é reduzida também a possibilidade de inalação do combustível pelo motorista. Além de preservar a saúde dos profissionais, o total aproveitamento do combustível também elimina perdas durante a operação. “Seguindo o pilar de inovação da companhia e em busca da excelência operacional e respeito à vida, devemos seguir com o plano diretor de investimento em tecnologia para implementar o bottom loading em mais usinas”, explica Gobbo.
 
Perfil — A Raízen se destaca como uma das empresas de energia mais competitivas do mundo e uma das maiores em faturamento no Brasil, atuando em todas as etapas do processo: cultivo da cana, produção de açúcar, etanol e energia, comercialização, logística interna e de exportação, distribuição e varejo de combustíveis.
 
A companhia conta com cerca de 30 mil funcionários, que trabalham todos os dias para gerar soluções sustentáveis que contribuam para o desenvolvimento do país, como a produção de bioeletricidade e etanol de segunda geração a partir dos coprodutos da cana-de-açúcar. Com 24 unidades produtoras, a Raízen produz cerca de 2,0 bilhões de litros de etanol por ano, 4,2 milhões de toneladas de açúcar e tem capacidade para gerar cerca de 940 MW de energia elétrica a partir do bagaço da cana-de-açúcar.
 
A empresa também está presente em 66 bases de abastecimento em aeroportos, 67 terminais de distribuição de combustível e comercializa aproximadamente 25 bilhões de litros de combustíveis para os segmentos de transporte, indústria e varejo. Conta com uma rede formada por mais de 6.000 postos de serviço com a marca Shell, responsáveis pela comercialização de combustíveis e mais de 950 lojas de conveniência Shell Select.
 
Além disso, a companhia mantém a Fundação Raízen, que busca estar próxima da comunidade, oferecendo qualificação profissional, educação e cidadania. Criada há mais de 14 anos, a Fundação Raízen possui seis núcleos no interior do Estado de São Paulo e um em Goiás e já beneficiou mais de 13 mil alunos e mais de 4 milhões de pessoas com ações realizadas desde 2012.
 
 

Fonte: Revista Fator Brasil - retirado do site: Revista Meio Filtrante On-Line