Clipping

Plano de Trump para ajudar agronegócio é ‘muleta de ouro’, diz senador

Republicanos representantes de Estados com tradição agrícola nos Estados Unidos criticaram o projeto do governo de Donald Trump de apoio aos agricultores em meio às tensões comerciais internacionais, em particular com China e União Europeia. A Casa Branca anunciou ontem que vai liberar US$ 12 bilhões em um fundo emergencial para aliviar a pressão sobre setor agrícola frente às novas taxas impostas à produtos norte-americanos - como a carne suína, que foi sobretaxada por México e China neste mês.

O senador republicano Ben Sasse, de Nebraska, disse que o plano vai gastar bilhões de dólares em uma "muleta de ouro". "Agricultores americanos não querem ser pagos para perder. Eles querem vencer e alimentar o mundo. As tarifas dessa administração e as soluções apresentadas não vão tornar a América grande novamente, elas só vão fazer a América estar em 1929 novamente", disse Sasse, ironizando um dos bordões clássicos de Donald Trump ("Make America Great Again").

A soja figura como a maior prejudicada no setor agrícola norte-americano. Os anúncios dos confrontos, sobretudo com a China, principal compradora do mundo da oleaginosa, fizeram os preços da commodity recuarem 18% nos últimos dois meses. Prejuízos e preocupação também são contabilizados no setor de proteína animal, com impactos previstos até na carne bovina diante de um recrudescimento das tensões.

Na contramão, outros políticos começaram a pressionar o governo por soluções para os demais setores prejudicados. "Eu quero saber o que vamos dizer aos fabricantes de automóveis, do setor petroquímico e todos os outros prejudicados pelas tarifas", disse o senador republicano John Neely Kennedy. "Você tem de tratar todos da mesma maneira", acrescentou Kennedy.

"Está é uma medida de curto prazo que dá tempo aos agricultores e ao presidente Trump de trabalhar no longo prazo em uma solução para os acordos comerciais", disse ontem o secretário de Agricultura, Sonny Perdue. Com as eleições do Congresso se aproximando, a ação do governo tenta evitar uma debandada nos assentos da base aliada no Senado e na Câmara em regiões como o Centro-Oeste dos EUA.


Fonte: Broadcast Agro