Clipping

Plano diretor define metas de produtividade e estabiliza lavouras

Projeto para 10 anos, elaborado pelo Grupo IDEA, tem a finalidade de garantir matéria-prima para a fabricação dos produtos finais

O processo de recuperação da produtividade e de retomada de crescimento da atividade canavieira deve ser orientado por um Plano Diretor Agrícola (PDA), segundo o engenheiro agrônomo Dib Nunes Jr., presidente do Grupo IDEA, de Ribeirão Preto, SP.

O PDA tem a finalidade de estabilizar a produção dos canaviais por meio de ações de curto e médio prazos e assim garantir a disponibilidade de matéria-prima para a fabricação dos produtos finais. Antes da elaboração deste plano, existe a necessidade de um levantamento das demandas mais urgentes para que, ao elaborar o PDA, sejam adotadas medidas corretivas.

O PDA define prioridades e metas, principalmente em relação à investimentos em reforma dos canaviais, aquisição ou aluguel de equipamentos além da aquisição de insumos básicos, levando em consideração o fôlego financeiro da empresa - observa Dib Nunes. “A recomendação da adubação correta, por exemplo, deve conter as doses e épocas mais adequadas para sua realização e deve ser proporcional à produtividade, priorizando investimentos onde se espera maior produtividade e onde a cana é mais barata”, diz.

Em seu portfólio de serviços de consultoria, o Grupo IDEA oferece inclusive a estruturação do Plano Diretor Agrícola com Orçamento, um projeto detalhado para até 10 anos, que dimensiona investimentos em equipamentos, manutenção e formação de novos canaviais, mão de obra, insumos, serviços de apoio, e logística, destacando a tecnologia de produção a ser empregada conforme a realidade de cada região produtora.

Esse serviço é a continuidade e a conclusão do projeto “Auditoria e Diagnóstico da Área Agrícola” – também oferecido pelo IDEA –, que faz uma avaliação dos pontos fracos e fortes de todas as etapas do processo produtivo de cana-de-açúcar, explica Dib Nunes.

“O Plano Diretor Decenal Agrícola é elaborado de acordo com o orçamento da empresa, considerando a necessidade de matéria-prima para moagem e inclui metas de rendimentos operacionais e limites de gastos por etapa do processo produtivo. A primeira coisa que o IDEA foca é o que deve ser feito para recuperar a produtividade em curto e médio prazos e, depois elaboramos um PDA”, comenta. Usina sem cana é usina em dificuldades financeiras. Ter cana é ter a sustentação da empresa.

O orçamento vai nortear o planejamento e a execução de todas as ações da área agrícola – enfatiza. “A empresa não pode fazer um plano de investimento que ultrapasse os limites do faturamento líquido. Quando é feito um Plano Diretor, há a definição dos investimentos estratégicos e prioritários. Aí então ocorre a definição de onde aplicar o dinheiro, de maneira certa, naquilo que dá o melhor resultado”, observa.

Segundo ele, se as lavouras tiveram queda acentuada de produtividade e as reformas não forem realizadas, certamente a demanda por investimentos para recuperação desta defasagem serão maiores nos anos seguintes.

“Sem matéria-prima, a usina não tem produto final garantido, portanto, não vai poder planejar nada. Ficará a mercê da disponibilidade de cana do mercado”, salienta. De acordo com ele, nessas condições, se os preços dos produtos estiverem ruins, a empresa faz cortes e só começam a ser realizados investimentos se os preços melhorarem. A esta altura a dívida se avoluma e vai limitar os investimentos.

Conclusão: vai ser difícil sair da crise.

“Não se pode, entretanto, trabalhar em soluços, ao sabor das ondas do mercado. É preciso ter um projeto de estabilização da lavoura, que forneça a matéria-prima para a fabricação do açúcar e do etanol”, afirma.

A empresa estável, que possui matéria-prima, tem garantia de caixa para enfrentar situações difíceis – ressalta. Para obter essa estabilidade, é necessário trabalhar com um plano diretor onde o Capex e o Opex sejam compatíveis com a atividade e que lhes garantam uma visão estratégica muito clara do futuro da empresa.

“Projetamos essa análise sobre o quanto deve ser investido por ano e quais serão as estratégias para atingir a estabilidade da produção e, depois, apuramos quanto tempo vai levar para atingir o máximo potencial de produtividade agrícola para sustentar o negócio. Se forem obedecidas as recomendações técnicas e, se houver uma boa gestão, os resultados certamente serão positivos”, completa.

Além do Plano Diretor Agrícola com elaboração do Orçamento, o Grupo IDEA disponibiliza outros 11 serviços de consultoria, que apresentam diversas soluções para usinas e produtores de cana. Com a experiência no atendimento de aproximadamente 42% das usinas brasileiras, a empresa conta ainda com a parceria do Dr. Cana, um programa de consultoria que abrange praticamente todas as etapas e especialidades do processo produtivo.

Outras informações sobre os serviços de consultoria e gestão agroindustrial do Grupo IDEA podem ser obtidas no site www.ideaonline.com.br ou pelo telefone (16) 3211 4770.


Fonte: Assessoria