Clipping

Preço do açúcar deve ter recuo em 2020 com excedente global, aponta pesquisa

Postado em 31 de Julho de 2020

Os contratos futuros do açúcar bruto devem terminar este ano próximos dos níveis atuais na ICE, mas a commodity deve ter uma perda anual, uma vez que a pandemia aumentou a oferta e afetou a demanda, mostrou uma pesquisa da Reuters com 11 traders e analistas nesta sexta-feira.

Os preços devem terminar 2020 em 12 centavos de dólar por libra-peso, queda de 1% ante o fechamento de quinta-feira e 11% abaixo dos níveis do final de 2019, de acordo com a previsão mediana.

O consenso da pesquisa foi de um superávit global de 3,5 milhões de toneladas para a temporada 2020/21.

A perspectiva foi alterada desde a última pesquisa da Reuters, divulgada em 31 de janeiro, quando se esperava que os preços subissem para 15 centavos de dólar por libra-peso até o final do ano, impulsionados por um déficit então previsto de 1,15 milhão de toneladas para o ano 2020/21.

A mudança foi motivada pela pandemia global do Covid-19, que reduziu a demanda e também aumentou a produção no centro-sul do Brasil.

“O impacto da Covid-19 não é totalmente compreendido, mas é muito improvável que o impacto negativo (no consumo de açúcar) observado na Índia e na China não tenha sido replicado em todo o mundo”, disse o analista John Stansfield, do Grupo Sopex.

“No futuro, a potencial recessão global atingirá a demanda de açúcar”, acrescentou.

No centro-sul do Brasil, a fraca demanda por combustíveis colaborou para que usinas produzissem mais açúcar.

A pesquisa previu que 47% da cana será usada para produzir açúcar na safra 2020/21, acima dos 36,5% previstos na pesquisa anterior.

A produção de açúcar no centro-Sul do Brasil foi projetada em 36,8 milhões de toneladas, acima dos 29,4 milhões esperados em janeiro.

A previsão média para a produção 2020/21 na Índia, o maior consumidor do mundo, foi de 31,8 milhões de toneladas, um pouco acima dos 31,1 milhões esperados em janeiro.

Os preços do açúcar branco devem terminar 2020 em 340 dólares por tonelada, queda de 8% ante o fechamento de quinta-feira e 5% abaixo dos níveis no final de 2019.

 


Fonte: Reuters