Clipping

Preço do etanol pode sofrer muita volatilidade antes das eleições nos EUA

Postado em 21 de Julho de 2020

O etanol é um biocombustível. Nos Estados Unidos, o milho é o ingrediente principal no processo de refino. No Brasil, a cana de açúcar ocupa esse lugar. Os EUA são o principal produtor e exportador mundial de milho, enquanto o Brasil é o maior produtor de açúcar no mercado livre. Os dois países lideram a produção de etanol usando excesso de produção de commodities agrícolas.

Nos últimos anos, o papel do milho na produção de etanol nos EUA serviu a dois propósitos. O aumento da demanda por milho foi favorável aos agricultores norte-americanos. Ao mesmo tempo, uma mistura de etanol em gasolina pode ser ambientalmente amigável e reduziu a dependência de petróleo bruto do Oriente Médio.

Milho e etanol compartilham um vínculo nos EUA, pois cada um pode impactar os fundamentos de oferta e demanda do outro. O preço do etanol seguiu os preços do petróleo e da gasolina mais baixos durante a liquidação massiva de fevereiro a abril. O futuro do etanol e da gasolina caiu para mínimas no final de março. Desde então, o biocombustível e o derivado de petróleo tiveram retornos significativos.

Preços do etanol sobem com energia

Depois de negociar a uma mínima de US$ 40,32 negativos por barril em 20 de abril, o preço dos futuros de petróleo na NYMEX subiu mais de US$ 80 por barril no final da semana passada, acima de US$ 41 no contrato de agosto. O gás natural atingiu uma mínima de US$ 1.432 no final de junho e se recuperou para US$ 1.718 na sexta-feira, 17 de julho. O preço do etanol subiu mais com as commodities de energia.

O gráfico semanal mostra que os futuros de etanol subiram de uma mínima recorde de 79,9 centavos de dólar por galão durante a última semana de março para uma alta de US$ 1,40 em 10 de julho. O preço recuou para o nível de US$ 1,17 no final da semana passada, ainda 46,4% superior à mínima recorde.

Etanol supera o milho

O mercado futuro de etanol tende a acompanhar os preços da energia, mas também é altamente sensível à ação do preço dos futuros de milho.

O gráfico semanal ilustra que o futuro do milho atingiu a mínima de 2020 em US$ 3,0025 no final de abril. Uma recuperação elevou o preço do grão grosso a uma alta de US$ 3,5650 no início deste mês. A US$ 3,3350 no final da semana passada, o milho havia se recuperado da baixa em 11%, enquanto a matéria prima do etanol teve um desempenho inferior ao biocombustível.

Os refinadores que processam milho em etanol se beneficiaram do diferencial, já que o preço do insumo, o milho, subiu menos que o produto, o etanol. Empresas como a Archer Daniels Midland (NYSE:ADM), Bunge (NYSE:BG) e algumas de refino de petróleo viram suas margens melhorarem, à medida que o milho subestimava a ação dos preços no mercado de etanol em uma base percentual.

O biocombustível pode sofrer muita volatilidade antes das eleições de 2020 nos EUA

A eleição dos EUA no início de novembro determinará o caminho da política energética no principal país produtor de petróleo e gás do mundo. O presidente Donald Trump, republicano que busca a reeleição, favorece a independência energética e a continuação da produção de combustíveis fósseis. Seu desafiante, o democrata e ex-vice-presidente Joe Biden, apoia o "Green New Deal", que poderia limitar ou eliminar a produção de hidrocarbonetos a partir de 2021.

O ponto principal é que a grande lacuna entre as plataformas dos candidatos pode levar ao aumento da volatilidade nos preços da energia nas próximas semanas e meses. As equações fundamentais de oferta e demanda de petróleo bruto, gás natural e etanol podem mudar drasticamente com base na política energética dos EUA.

Apertem os cintos, a grande variação nos mercados de energia durante o primeiro semestre de 2020 provavelmente continuará no restante deste ano. No que diz respeito ao etanol, os preços da energia e do milho continuarão a determinar o caminho de menor resistência ao biocombustível.


Fonte: Investing.com