Clipping

Preço dos combustíveis estimula produção no Centro-Sul em novembro

A produção de etanol no Centro-Sul do Brasil cresceu 15,3% na primeira quinzena de novembro, com as usinas atentas ao consumo do biocombustível no mercado doméstico em meio a preços do açúcar pouco atrativos no exterior.

Conforme dados divulgados ontem pela União da Indústria de Cana-de-açúcar (Unica), as unidades fabricaram 1,06 bilhão de litros de etanol (anidro e hidratado) no período, ante 923 milhões de litros um ano atrás, em volume que ficou dentro do esperado.

Isso levou o total produzido do biocombustível a registrar raro aumento no acumulado da safra, após a fabricação de açúcar demandar grande volume de cana na maior parte da temporada.

Dessa forma, a produção de açúcar somou 1,25 milhão de toneladas na primeira quinzena do mês, contra 1,88 milhão de toneladas na quinzena anterior e 1,36 milhão de toneladas há um ano (queda de 8 %).

Os resultados levam em consideração um mix bem alcooleiro. Na primeira metade de novembro, 57,45 % da oferta de matéria-prima processada destinou-se à produção de etanol, acima dos 52,05 % computados em igual quinzena de 2016 e dos 57,15 % contabilizados ao final de outubro de 2017.

Em nota, o diretor técnico da Unica, Antonio de Padua Rodrigues, disse que “esses números refletem a mudança no perfil de produção das usinas anexas (produtoras de açúcar e de etanol)”, com foco no álcool.

Os volumes de produção de açúcar e etanol vieram em linha com pesquisa realizada pela S&P Global Platts.

Vendas - O biocombustível passou a ser mais atrativo para as usinas a partir de agosto, na esteira de altas tributárias maiores para a gasolina, concorrente direto do hidratado.
Nos primeiros 15 dias de novembro, por exemplo, foram vendidos 684,76 milhões de litros do etanol usado diretamente nos tanques dos veículos --alta de 36,1 % ante o mesmo período do ano passado.

Isso elevou a comercialização total do biocombustível (incluindo anidro e exportações) na quinzena para 1,1 bilhão de litros, expansão de 15,2 % ante o mesmo período do ano passado.

“O hidratado segue competitivo em relação à gasolina nos estados de São Paulo, Minas Gerais e Mato Grosso, responsáveis por quase metade da frota de veículos leves e motocicletas do País”, disse Rodrigues.

Moagem - O processamento de cana pelas usinas e destilarias do Centro-Sul do Brasil cresceu 7,24 % na primeira quinzena de novembro, para 23,35 milhões de toneladas.
Já o nível de Açúcares Totais Recuperáveis (ATR) por tonelada de cana moída somou 132,64 kg, recuo de 3,5 % na comparação anual e de 13,66 % em relação à quinzena imediatamente anterior.

Para o diretor técnico da Unica, “essa retração da qualidade era esperada, pois em outubro o ATR cana - aquele obtido a partir das análises em laboratório da planta entregue na unidade industrial - já sinalizava para uma queda de 2% a3 % nesse indicador”.

No acumulado da safra 2017/18, iniciada em abril, o Centro-Sul processou 552,95 milhões de toneladas de cana (-1,61 % na comparação anual) e produziu 34,35 milhões de toneladas de açúcar (+2,36 %) e 23,66 bilhões de litros de etanol (+0,20 %).

Até 16 de novembro, 82 unidades encerraram a safra no Centro-Sul, contra 115 até a mesma data do último ano, disse a Unica.


Fonte: Reuters