Clipping

Preços dos combustíveis marcam 1ª alta do ano na 1ª quinzena de junho, diz Ticket Log

Postado em 16 de Junho de 2020

Após um movimento de baixa que se estendia no Brasil desde janeiro, o preço médio dos combustíveis registrou a primeira elevação na quinzena inicial de junho, conforme levantamento da Ticket Log obtido pela Reuters.

A alta nos valores já era esperada, por conta dos aumentos no repasse nas refinarias, porém até o final de maio ainda não se refletia nos postos de abastecimento.

Na semana passada, a Petrobras anunciou uma alta de 10% nos preços médios da gasolina nas refinarias, após quatro aumentos consecutivos aplicados pela empresa para o combustível em maio.

Na primeira quinzena de junho, a gasolina subiu 2,07% nas bombas, para 4,088 reais o litro em média, ante 4,005 reais no mês passado, de acordo com o Índice de Preços Ticket Log (IPTL).

O etanol teve um aumento de 1,31% e foi vendido a 3,247 reais, enquanto o diesel registrou uma leve alta de 0,47% para 3,253 reais.

"Esse aumento foi percebido em todas as regiões brasileiras, porém com variações de recuo em alguns Estados. A gasolina foi o único combustível que não apresentou queda em nenhum Estado nesse início de mês", disse em nota o Head de Mercado Urbano da Edenred Brasil, Douglas Pina.

Os preços do etanol e do diesel caíram no Norte, mas a região ainda lidera com os preços médios mais elevados do país.

De acordo com a Ticket Log, o Centro-Oeste segue com o etanol mais barato do país vendido a 2,846 reais, apesar do acréscimo de 0,49% nos preços durante a primeira quinzena do mês.

A região Sul tem o diesel mais barato, sendo vendido a 2,923 reais, e gasolina também com menor preço, de 3,850 reais ---ambos tiveram aumentos de 2,06% e 2,31% respectivamente ante a maio.

O Sudeste apresentou alta em todos os combustíveis, com maior índice para a gasolina, que passou de 4,077 reais para 4,147.

"O destaque no Nordeste fica por conta do diesel que não teve variação e foi vendido nas bombas por 3,210 reais, mesmo valor apontado ao final de maio."


Fonte: Reuters