Clipping

Procon diz que ‘há alinhamento de preço de combustíveis’ em Ribeirão Preto

O Procon de Ribeirão Preto aponta que há alinhamento de preços de combustíveis no município e afirma que esse é o principal problema no comércio da cidade. De acordo com o chefe de divisão de gerenciamento do serviço, Feres Najm, 162 postos já foram notificados para explicarem o valor cobrado dos motoristas.

Segundo o Procon, em Ribeirão Preto tem 193 postos, desses, 162 foram notificados para explicar sobre os valores cobrados, sendo que 138 compareceram ao órgão voluntariamente apresentando as notas de compra do combustível junto às distribuidoras.  “Temos verificado se há atitudes abusivas sobre o consumidor”, declarou Najm, em reunião da Comissão Especial de Estudos (CEE) dos combustíveis.

Os postos receberam questionários que estão sendo analisados pelo Procon. “Existe um alinhamento de preços que pode caracterizar diversos problemas, inclusive crimes”, afirmou Najm, que ainda disse que a intenção do órgão não é mexer na margem de lucro dos postos, mas averiguar o alinhamento de preços, porém, lembra que é preciso dar a oportunidade de defesa aos postos.

‘Preço não é muito alto’

O delegado da Receita Federal, Glauco Guimarães Marcos, que também foi ouvido na reunião, disse que é possível afirmar que em Ribeirão Preto não é cobrado o preço mais caro do estado.

“Diferenças existem, mas são mínimas, por motivos como variação geográfica ou poder de negociação dos postos. Mas, em regra, os preços são muito parecidos. Em outras cidades existem uma variação muito maior do que em Ribeirão Preto. Você anda nas Avenidas Presidente Vargas e Fiúsa e vê todos os postos com o mesmo valor, o que não pode ocorrer”, afirmou.

De acordo com a Agência Nacional de Petróleo (ANP), em levantamento feito entre os dias 4 e 10 de fevereiro, o preço médio do litro da gasolina no município é de R$ 4,213, e do etanol R$ 2,925. A diferença do valor mais em conta para o mais caro cobrado pelo litro da gasolina é de 25 centavos e etanol de 19 centavos.


Fonte: Revista Revide