Clipping

Produção de biogás e o setor sucroenergético

Postado em 1 de Junho de 2020

O setor sucroenergético se destaca nos últimos anos na geração renovável de energia, seja pela produção de etanol – que é um combustível menos poluente – seja pela geração de vapor e pela bioeletricidade.

Para aumentar o portfólio de produtos, as usinas agora já trabalham em pesquisa e no desenvolvimento para inserir a geração de biogás e biometano a partir de subprodutos da cana, como vinhaça, torta de filtro outros resíduos do processo de moagem e folhas. O objetivo é gerar novas receitas econômicas, com a injeção de biometano na rede distribuidora de gás, na produção de excedente na cogeração de energia na rede elétrica, ou mesmo para uso próprio, com a substituição de diesel na frota.

De acordo com a o André Elia, Consultor Ambiental e de Recurso Hídrico da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica), estima-se que a produção de biogás pode aumentar em mais de 10% a produção energética de uma destilaria, somente com o reaproveitamento da vinhaça. “Com o aproveitamento dos demais resíduos esse potencial mais do que dobra. Isso trará certamente uma maior sustentabilidade ambiental ao setor sucroenergético como um todo, podendo em certos casos zerar a pegada de carbono,” explica.

Algumas empresas do setor já estão investindo nesse segmento, utilizando produtos subutilizados do processamento de cana. De acordo com o representante Unica, a tecnologia de produção do biogás e biometano a partir dos resíduos do setor sucroenergético, principalmente da vinhaça, é testada desde a década de 1980, em pesquisas e plantas demonstrativas. “Na época, o setor construiu uma planta demonstrativa de grande escala na Usina São João da Boa Vista, em São Paulo, que produziu biometano para atender a frota de caminhões, em substituição ao diesel. A planta foi desmobilizada anos depois por não trazer competitividade frente ao diesel”, explica.

Outro exemplo, citado por André, é o biodigestor de vinhaça da Usina São Martinho, em São Paulo, que produz biogás para secagem de levedura. Segundo a entidade, várias outras pesquisas foram realizadas, porém a tecnologia, apesar de viável tecnicamente, não apresentou a viabilidade econômica requerida para substituição de combustível fóssil como o diesel ou produção de excedente de eletricidade.

Fontes limpas

Com a valorização da energia renovável grupos associados à Unica têm investido no biogás e no biometado. A Raizen já desenvolve uma planta para geração de energia elétrica na Usina de Bonfim, na cidade de Guariba, localizada no interior de São Paulo. A unidade, que tem uma moagem de aproximadamente 5 milhões de toneladas ao ano, será a primeira em escala comercial no mundo a utilizar a torta de filtro, na geração de energia elétrica por meio do biogás.

O investimento inicial na unidade é de R$150 milhões e terá uma potência instalada de 21 MW para produção de 138.000 MWh/ano de bioeletricidade a partir do biogás dos resíduos agrícolas e industriais da usina. A usina será equipada com dois métodos de produção: o primeiro adotará o sistema de co-digestão da Geo Energética, com utilização de resíduos como torta de filtro, bagaço e palha; o segundo, por sua vez, fará a biodigestão da vinhaça em “lagoas cobertas” a cargo da empresa Sebigas-Cótica.

A biodigestão dos subprodutos da usina de Guariba da Raízen permitirá uma produção de 138 mil MWh por ano, que é suficiente para abastecer, por exemplo, o próprio município e as cidades próximas. Desses, 96 mil MWh serão vendidos no contrato de leilão de 2016, do qual a Raízen foi a vencedora. E o valor excedente deverá ser negociado no mercado livre ou comercializado por meio de outros contratos.

O Grupo Cocal, juntamente com a empresa GasBrasiliano, também anunciou o desenvolvimento de um projeto que visa a produção de biometano a partir dos resíduos da cana-de-açúcar – vinhaça, torta de filtro e palha da cana – na unidade de Narandiba da Cocal, em São Paulo.

O investimento estimado é de R$ 160 milhões, com R$ 130 milhões da usina sucroenergética para a produção do combustível e R$ 30 milhões pela distribuidora para construir 65 quilômetros de rede. A previsão é que a operação comece no segundo semestre de 2020 com a capacidade de ofertar até 67 mil metros cúbicos de biometano por dia.

Em Goiás, a Jalles Machado desenvolve estudos de viabilidade para a produção de biogás na unidade de Goianésia. A empresa planeja produzir através da vinhaça e torta de filtro. O projeto tem previsão inicial para o início de 2021.

Essas são iniciativas que demonstram uma solução importante para o setor no desenvolvimento desse novo produto energético “Hoje, praticamente não há geração de biogás ou biometano pelo setor em grande escala, mas estima-se que só com a vinhaça pode-se produzir cerca de 3,5 bilhões de Nm3 de biometano por ano em 2030 com o RenovaBio”, afirma André. Segundo ele, para que todo esse potencial de energia renovável se viabilize é necessário o desenvolvimento de políticas públicas em paralelo com as iniciativas pontuais de inovações de alguns grupos do setor.


Fonte: Canal-Jornal da Bioenergia