Clipping

Produtividade deve ser principal responsável pelo crescimento de 30% na safra, indica estudo

Nos próximos dez anos o Brasil vai produzir 69 milhões de toneladas a mais de grãos, saltando de 232 milhões de toneladas para de 302 milhões t em 2027/2028, puxadas principalmente pela soja (156 milhões t) e o milho (113 milhões t), com incremento estimado em 30%. As carnes (bovina, suína e de frango) devem passar de 27 milhões t para 34 milhões t, em alta de 27% (+7 milhões t) no mesmo período. A produtividade é apontada como responsável pelo aumento da produção de grãos, o que pode ser constatado pelo aumento da projeção da área de plantio, no mesmo período, de apenas 14,5%. A pecuária que também vem introduzindo novas tecnologias contribuído para o desempenho e melhoria da produção.

Os números são do estudo Projeções do Agronegócio, Brasil 2017/18 a 2027/28 da Secretaria de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e da Secretaria de Inteligência e Relações Estratégicas da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (SIRE/Embrapa). A pesquisa utilizou dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Embrapa, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), FAPRI (Food and Agricultural Policy Research Institute) e do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (United States Department of Agriculture/USDA, sigla em inglês).

A expansão da área plantada de todas as lavouras (algodão, arroz, banana, batata inglesa, cacau, café, cana de açúcar, feijão, fumo, laranja, maçã, mamão, mandioca, manga, melão, milho, soja grão, trigo, uva) no Brasil sairá de 75 milhões hectares, em 2018, para 85 milhões de hectares nos próximos 10 anos. O crescimento global será de 13,3%, o equivalente a 10 milhões de hectares em regiões de pastagens naturais ou por reaproveitamento degradadas, conforme o estudo.

Uma parte do crescimento da área plantada deve ocorrer em áreas de fronteira localizadas especialmente no Centro Oeste, Norte e Nordeste. As maiores expansões devem ocorrer no plantio de soja, cana de açúcar e milho. Lavouras, como arroz, feijão, mandioca e laranja, devem ter redução de área plantada. Ganhos de produtividade deverão compensar as reduções, de modo que não haverá recuo de produção. O café deve apresentar certa estabilização da área e os ganhos de produtividade obtidos nos últimos anos permitem obter produção crescente, mesmo com tendência de redução de área.

O cultivo de grãos (algodão, amendoim, arroz, aveia, canola, centeio, cevada, feijão, girassol, mamona, milho, soja, sorgo, trigo e triticale) terá variação de área de 14,9%, de 62 milhões ha para 71 milhões ha, em 2027/28, aumento de 9 milhões ha. Esse grupo de produtos deverá ter a produtividade como o principal driver (motor/impulsionador) de crescimento, pois a produção deve aumentar cerca de 30% em 10 anos.

Tendência de produção de carnes

O estudo projeta uma produção de carnes de 34 milhões de toneladas em 2027/28. Isso representa acréscimo de 7 milhões de toneladas sobre 2018. O maior crescimento deve ocorrer nas carnes suína e de frango, seguidas por carne bovina. A carne de frango deve ter aumento de 4 milhões t, totalizando 17 milhões t em 2028. Em seguida, vem o incremento de 2 milhões t para a carne bovina, somando 12 milhões t. A produção de carne suína ficará em quase 5 milhões t (+1 milhão t), na próxima década.

Regiões produtoras

Conforme a pesquisa, o Centro Oeste dispara no ranking das regiões de maior aumento na produção de grãos, saindo de 103 milhões t para 139 milhões t (+ 36 milhões t ou 34,8%). É prevista também expansão da produção de grãos em direção ao Norte do país, com crescimento de 34% em relação a 2018. Destacam-se nessa expansão os estados de Rondônia, Tocantins e Pará. Os estados do Sul terão incremento de 24,8% (+19 milhões t), alcançando 94 milhões t de grãos.

Quanto à área plantada de grãos, os estados do Centro Oeste terão incremento de 28,2%; do Norte, 23% e do Sul, 7,5%.

Projeção de exportações

As projeções de exportação apontam que o país embarcará, em 2028, 139 milhões t de grãos, com acréscimo de 37 milhões t em relação a 2018. A soja e o milho continuam como destaques, na projeção das exportações nos próximos dez anos, à frente de produtos como o açúcar e o café. As vendas externas de soja em grão ficarão em 96,5 milhões t e as de milho em 42,8 milhões t. Cerca de 70 % das exportações de soja devem seguir para a China.
O comércio externo de açúcar alcançará 37,2 milhões t e, de café, 34 milhões de sacas (60 kg).

As exportações de carnes alcançarão 8,8 milhões t na previsão para 2027/2028 (+ 2,3 milhões t). As exportações de carne de frango puxarão o total de carnes nos próximos dez anos, com 5,2 milhões t exportadas. A carne bovina ficará em 2,8 milhões t exportadas, e a carne suína, 900 mil toneladas. Países da África Subsaariana (47 países, como por exemplo, África do Sul, Angola, Costa do Marfim, Etiópia, Nigéria) e Oriente médio (15 países, como Arábia Saudita, Irã, Afeganistão, Catar, Emirados Árabes Unidos) e México, devem adquirir cerca de 39% da carne de frango exportada pelo Brasil.

China, Estados Unidos, África e Oriente Médio devem absorver 44 % das exportações de carne bovina. México, China e Japão devem importar 57% da carne suína brasileira.

O trabalho mostra também que, além do potencial de produção e de exportação de grãos, carnes e outros produtos, as frutas, em especial manga, melão, mamão e uva, projetam elevadas taxas de crescimento das exportações nos próximos anos.

Por Inez De Podestá 


Fonte: Só Notícias