Clipping

Produtor está atento ao controle da broca da cana-de açúcar

Postado em 31 de Outubro de 2019

Todos os anos cerca de R$ 5 bilhões são perdidos no Brasil em decorrência de ataques da broca da cana-de-açúcar (Diatreea Saccharalis), segundo levantamento do Centro de Tecnologia Canavieira (CTC). Considerada a principal praga da cultura, as perdas no campo são de 2,9% em toneladas de cana por hectare e 3,3% na sacarose aparente (POL da cana) para cada 1% de infestação, conforme cálculo do Instituto Agronômico de Campinas (IAC).

A pesquisadora do IAC, Leila Dinardo, acredita que a infestação das lavouras no país já chega a cerca de 4,5% e as infestações estão aumentando, comprometendo a produtividade dos cavaviais.

Por causa disso, estão sendo organizados pela FMC encontros para debater com os mais diversos elos da cadeia as tecnologias de manejo da broca da cana, além de oferecer orientação técnica sobre o manejo correto da praga, explica o Coordenador de Marketing da FMC, João Claudio Mansur.

Os encontros já alcançaram aproximadamente 1000 pessoas que tiveram a oportunidade de conhecer melhor as características de produtos para um melhor controle químico e biológico. Os produtores contam também com programas de manejo para que possam estar atentos as necessidades do canavial e conseguir o máximo do potencial produtivo da planta.

Maior produtor de cana

O Brasil é o maior produtor mundial de cana-de-açúcar, sendo que São Paulo responde por 55% da área plantada no país. Grande parte das usinas paulistas de processamento de cana podem escolher produzir açúcar ou etanol.

Essa é uma vantagem competitiva do setor sucroalcooleiro estadual em relação à indústria norte americana, baseada no milho. Nos EUA, as usinas de processamento de milho precisam primeiro produzir açúcar para a partir dele produzir etanol.

As plantações paulistas têm alta produtividade por hectare. Isso deve-se, além da qualidade do solo e das condições climáticas favoráveis, às pesquisas realizadas por institutos de pesquisa públicos e privados. A variedade SP81-3250 desenvolvida no Centro de Tecnologia Canavieira, na cidade de Piracicaba, é a cana-de-açúcar mais plantada no país atualmente.

As 172 usinas instaladas no estado correspondem a 42% do total brasileiro e foram responsáveis por 56% da cana moída nacionalmente na Safra 2016/2017 de acordo com dados da UNICA, União da Indústria de Cana-de-Açúcar.

Elas produzem grande parte do etanol utilizado nos automóveis flex que circulam no Brasil. Uma revolução no mercado automobilístico nacional, os carros bicombustíveis foram lançados em 2003, com motores capazes de funcionar com etanol hidratado, gasolina, ou mistura dos dois em qualquer proporção. Além de beneficiar o planeta reduzindo a emissão de gás carbônico, os motoristas têm a opção de escolher o combustível mais econômico na hora de abastecer.

O Estado de São Paulo é o maior produtor mundial de etanol de cana-de-açúcar contribuindo para que o Brasil seja o segundo maior produtor de etanol do mundo, atrás do EUA. Na safra 2017/2018 foram produzidos 13 bilhões de litros nas usinas instaladas no estado, o que correspondeu a 47,14% do que foi produzido nacionalmente.

 


Fonte: Climatempo