Clipping

Quando o homem é mais eficiente que a máquina

Aos poucos, usinas de açúcar e álcool retomam plantio manual de cana e ex-boias-frias dividem canaviais com trabalhadores escolarizados

Em plena era da colheita e plantio mecanizados nos canaviais, Bruno Aparecido Paulino, 23 anos, foi contratado para colocar as mãos na terra. Desde o início do ano no grupo São Martinho, Paulino planta mudas de cana-de-açúcar criadas em estufas, que têm sido multiplicadas em campos experimentais. Filho de pedreiro e com ensino médio completo, Paulino faz parte de uma nova safra de trabalhadores que voltou a plantar cana manualmente.

A volta do manejo manual está longe de se tornar rotina nos 9,4 milhões de hectares cultivados no País. Pouco a pouco, porém, esse cenário está mudando. Grupos como o São Martinho, um dos maiores produtores de açúcar e álcool do País, têm trabalhado no desenvolvimento de suas próprias mudas, consideradas mais produtivas. Outros utilizam cana crua ou compram mudas no mercado. A diferença é que, para plantá-las, algumas usinas estão deixando de lado seus pesados e modernos equipamentos. Descobriram que a utilização de trabalhadores, neste caso, é mais eficiente que a máquina. As plantadeiras, além de compactar a terra, desperdiçam matéria-prima.

Caminho sem volta, a mecanização dos canaviais eliminou cerca de 500 mil vagas nos últimos dez anos, muitas delas ocupadas por boias-frias que vinham do Nordeste para cortar cana no Centro-Sul do País. Parte desse contingente foi aproveitado pelas usinas e ganhou outras funções, como operadores de máquinas, mecânicos e até em cargos administrativos, mas muitos foram para a rua, engrossando as estatísticas de desemprego. O setor, que já teve 1,3 milhão de trabalhadores, hoje emprega cerca de 850 mil pessoas.

Volta ao campo: o novo perfil dos trabalhadores do plantio manual
As vagas que têm surgido são ocupadas por pessoas que moram nos arredores das usinas, muitas delas com ensino médio completo, ou por ex-boias-frias que não voltaram para suas cidades de origem.

“A contratação das usinas é consequência da retomada do plantio por sistema de meiosi. Ele começou a ser adotado há quase cinco anos e só é feito em áreas de renovação de canaviais”, explica Plinio Nastari, presidente da consultoria Datagro.

Antes de chegar ao grupo São Martinho, Paulino não tinha a menor ideia de como se plantava uma muda de cana. Tinha trabalhado em supermercado e em outra usina, mas em outra atividade. “Jogava veneno nos canaviais”, diz. Hoje, seu salário, de R$ 1,8 mil, é a principal renda da casa. Já Gilson José dos Santos, 35 anos, também contratado há poucos meses no mesmo grupo, estudou até o 5º ano do fundamental e já tinha experiência em canaviais e laranjais. Pernambucano de Bom Jardim, chegou em 2008 à região de Ribeirão Preto para cortar cana. Foi e voltou algumas vezes para sua cidade natal, mas em 2013 se fixou de vez em Rincão, a 50 quilômetros de Ribeirão Preto.

Tanto Paulino como Santos foram contratados para exercer uma função considerada nobre pela São Martinho: limpar e cortar a cana em geminhas (pequenos gomos), na biofábrica do grupo, em Pradópolis. Toda a colheita e o plantio do grupo são mecanizados. O trabalho manual só é feito próximo às estufas.

A 50 quilômetros da São Martinho, na cidade de Pitangueiras, a Virálcool, do grupo Toniello, aposentou parte de suas plantadeiras. Nesses canaviais, os caminhões só chegam para trazer a cana. Os trabalhadores cuidam do resto: despejam a matéria-prima e afofam a terra.

Homem x máquina
Equipamentos tiraram vagas de trabalhadores

“Ainda bem que o homem voltou a exercer uma função que foi tirada pela máquina”, diz Benedito de Souza, o Dito, de 62 anos. Há 47 anos no grupo, chefia uma equipe de trabalhadores rurais que plantam pelo sistema meiosi. “Meu pai era cortador de cana no grupo. Comecei também como cortador, mas virei encarregado em 1981. Meu filho também trabalha aqui, como químico formado. Isso é motivo de orgulho.”

Irmãos trabalham no mesmo canavial
Na equipe comandada por Dito há mais veteranos do que iniciantes. Entre eles, Marquinhos Coelho dos Santos, 42 anos. Há sete anos na Virálcool, veio do Vale do Jequitinhonha, em Minas Gerais, para trabalhar na lavoura no interior de São Paulo. Analfabeto, não pôde tirar carteira de motorista. Por isso, exerce a mesma função desde que entrou na empresa. Já seu irmão Adenilson Coelho dos Santos, 31 anos, chegou há um ano para trabalhar no mesmo grupo. Com ensino médio completo, já foi metalúrgico em Belo Horizonte, mas o desemprego o empurrou para o campo. Marcone, irmão de Adenilson e Marquinhos, que não soube nem dizer sua idade (ele pediu ajuda à reportagem e mostrou seu RG para responder à pergunta), também chegou à usina há pouco tempo. “Estudei até o 4º ano (do ensino fundamental). Trabalhar no campo foi minha única opção. Mas eu gosto.”

A seguir, algumas histórias de trabalhadores rurais.
Sofia Gomes, de 45 anos, trabalha em usina sucroalcooleira há um bom tempo. “Saí de José Gonçalves de Minas (cidade no norte de Minas Gerais) para procurar melhores oportunidades de emprego em São Paulo. Não deu para estudar muito. Trabalho desde muito cedo em lavoura. Comecei na roça do sítio dos meus pais. Estou há um ano e meio aqui (na biofábrica de mudas de cana pré-brotadas da São Martinho). O que eu faço agora é bem mais tranquilo do que um trabalho mais pesado no campo. Aqui, quando não estou separando as geminhas (pequenos gomos de cana, depois plantadas em estufas para multiplicação), ajudo em outras funções na usina fazendo outras atividades agrícolas.”

Marlon Lago, 46 anos, que já foi cortador de cana, comemora a volta do plantio manual. “Fico muito feliz de dizer que os homens estão voltando a fazer o trabalho das máquinas agrícolas. Quero que as plantadeiras de cana se aposentem e que as usinas voltem a contratar mais gente. Já fui cortador de cana. Cortava cerca de 10 toneladas por dia, mas não era muito bom no que eu fazia. O desemprego está muito alto lá fora e fico satisfeito com a retomada da meiosi.”

Ricardo Bergamasco, 36 anos, fez curso profissionalizante e passou a conduzir máquinas depois que a colheita manual foi abolida. “Antes de entrar aqui na empresa, trabalhei no corte de cana por um ano. Com a mecanização do setor, fiz cursos profissionalizantes na São Martinho e agora sou apontador (operador de máquinas). Tenho dois filhos. Eu os incentivo a estudar muito, porque sei o quanto é importante ter uma profissão. A vida é melhor no comando de um trator do que no chão cortando cana.”

Gilson dos Santos, 46 anos, começou como temporário na biofábrica da São Martinho e agora é contratado. “Vim para São Paulo pela primeira vez em 2008 para trabalhar em canaviais. Voltei algumas vezes para minha cidade natal. Nasci em Bom Jardim, em Pernambuco, mas lá não tinha muito trabalho. Na minha região, o trabalho era em lavouras de coco verde e graviola. Desde 2013, me estabeleci em Rincão (a 50 quilômetros de Ribeirão Preto). Cheguei até aqui por indicação de um amigo no início do ano. Comecei como temporário e acabei sendo contratado como trabalhador fixo. Não tinha ideia do que era o plantio meiosi e o que eram canas pré-brotadas. Entendo que exerço um trabalho nobre aqui.”

Rita Maria Gomes Marques, 42 anos, veio do Norte de Minas para trabalhar em lavoura em São Paulo. “Não tinha ideia do que era cana pré-brotada antes. Entendo que é um processo importante.”

Paulo Edimir Soares, de 54 anos, saiu de Maringá (PR), sua cidade natal aos 16 anos. Hoje, ajuda no plantio de cana da usina Virálcool. Pai de cinco filhos, Paulo os incentiva a estudar para não ter de trabalharem no campo. “Mas se um dia precisarem, a gente tem de trazê-los para cá.”

Volta do manejo manual pode abrir até 60 mil postos em quatro anos

A contratação de trabalhadores rurais pelas usinas reflete a retomada do plantio de cana pelo sistema de meiosi, diz Plinio Nastari, da consultoria Datagro. A estimativa de Nastari é de geração de até 60 mil vagas em quatro anos.

Esse sistema passou a ser adotado de cinco anos para cá, apesar de existir desde os anos 1980, explica Luiz Antonio Paes, diretor do Centro de Tecnologia Canavieira (CTC). No meiosi, a cana é plantada em filas quilométricas intercaladas por outras culturas. “Há controle maior de falhas de brotação das mudas, menos desperdício de matéria-prima e maior rendimento, na comparação com o uso de plantadeiras.” Para cada 1 hectare plantado de cana por meiosi, o rendimento é de até 10 hectares. No sistema mecanizado, é de um para quatro. “O georreferenciamento ajudou a dar maior precisão, porque as usinas conseguem monitorar os canaviais por GPS.”

Líder
No Brasil, colheita de cana-de-açúcar supera 620 milhões de toneladas

Embora seja altamente produtivo, o meiosi não é adotado em larga escala. Pesquisa do Instituto Agronômico de Campinas (IAC), feita entre janeiro e fevereiro, com 137 usinas, mostra que 23,4% delas pretendem adotar o meiosi. Destas, 87% têm planos de fazer plantio manual.

 


Fonte: Estadão Conteúdo