Clipping

Quebra-lombo gera benefícios para as áreas agrícola e industrial

Postado em 4 de Março de 2020

Operação de nivelamento do solo, que pode ser acompanhada por aplicação de adubo e herbicida, evita arranquio de soqueira e reduz impureza mineral

A operação de quebra-lombo, realizada entre 70 e 90 dias após o plantio, desempenha um papel importante para o desenvolvimento do canavial, evitando o arranquio de soqueira e criando condições favoráveis para o corte de base, afirma o engenheiro agrônomo Auro Pardinho, gerente de marketing da DMB Máquinas e Implementos Agrícolas.

Argumentos de produtores ou usinas, que alegam em alguns casos economia para não fazer essa operação, não se justificam, porque eles terão, na verdade, prejuízos significativos, bem acima dos investimentos necessários para a realização da quebra do lombo (pequena elevação de terra). A relação custo-benefício dessa operação é bastante interessante – enfatiza Auro Pardinho.

Além de contribuir para o desenvolvimento do canavial, a quebra do lombo gera benefícios para a indústria, pois ajuda a reduzir a quantidade de impurezas minerais, que são transportadas junto com a matéria-prima utilizada na produção de açúcar e etanol. Essa operação faz inclusive o nivelamento do solo nas entrelinhas da cana planta com o objetivo de preparar a área para a colheita mecanizada.

Alguns produtores e usinas plantam cana com pouca profundidade, de maneira mais superficial, para não fazer a quebra do lombo – constata. Mas, em decorrência disso, surgem vários transtornos. “A chuva, que ocorre logo após o plantio, pode arrancar a cana. Se a planta resistir, quando é realizado o primeiro corte, a colhedora abala a soqueira”, alerta.

A performance da colheita mecanizada é bastante prejudicada em áreas onde não ocorre a operação de quebra-lombo. “Com a leira, o corte de base carrega muita terra para o transbordo e, consequentemente, essa impureza mineral vai parar na indústria. Em outras situações, a máquina deixa toco alto de cana no campo para evitar o transporte de grande quantidade de terra. Há perda, nesse caso, da sacarose que fica concentrada na parte inferior da cana”, diz.

A recomendação é fazer o plantio mais profundo, com 25 e 30 centímetros de profundidade e, após o período de perfilhamento da cana, realizar a operação de nivelamento – ressalta.

Adubo e herbicida - A operação de quebra-lombo pode ser ainda mais vantajosa se for acompanhada da aplicação de herbicida e/ou adubo, principalmente nitrogênio. Existem equipamentos no mercado que possibilitam a realização dessas operações simultaneamente, conforme o interesse e a necessidade de produtores e usinas.

A versatilidade desse implemento pode ser comprovada nos modelos disponibilizados pela DMB Máquinas e Implementos Agrícolas. A versão básica é o Cultivador Quebra-lombo, que deixa o solo cultivado, destorroado e nivelado e faz o “chegamento” de terra na linha da cana.

A empresa oferece também o “Cultivador Quebra-lombo com adubadoras”, que nivela o solo e pode ser utilizado para uma complementação da dose de nitrogênio, considerado importante para o desenvolvimento da cana-de-açúcar. “Nessa fase inicial de crescimento, a cana precisa de maior quantidade de nitrogênio. Aquele que foi aplicado no plantio pode não ser mais suficiente. Por isso, é recomendado um reforço”, observa. 

Outra opção é o “Cultivador Quebra-lombo com aplicador de herbicidas”. Segundo Auro Pardinho, uma aplicação adicional de herbicidas pode ser indicada, durante a operação de quebra-lombo, em áreas com alta infestação de ervas daninhas, com um fluxo muito grande de sementes, ou mesmo em áreas novas, de expansão. Nesses casos, pode haver a necessidade da utilização de uma maior quantidade de agroquímico para a obtenção de um controle mais eficiente das plantas invasoras.

Há na linha de equipamentos da DMB um modelo ainda mais versátil desse implemento, o “Cultivador Quebra-lombo com adubadoras e aplicador de herbicidas”. Além de nivelar o solo após o perfilhamento da cana planta, esse equipamento pode fazer também a aplicação de fertilizantes e herbicidas, de acordo com a demanda de usinas e produtores.

 


Fonte: CanaOnline