Clipping

Reajuste da tabela do frete será pelo IPCA

Uma das conquistas dos caminhoneiros após a paralisação de maio, a tabela de preço mínimo do frete rodoviário será atualizada na semana que vem usando como base o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), informou o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, a entidades que representam os profissionais. A vigência dos preços atuais se encerra no domingo (20).

O governo Jair Bolsonaro considera que poderá mudar o parâmetro de atualização da tabela no reajuste seguinte, programado para 20 de julho deste ano, após ter aprofundado as discussões técnicas com a categoria. A atualização do preço mínimo do frete está prevista para ocorrer a cada semestre.

Na reunião com os caminhoneiros, o ministro informou ainda que pretende estreitar a relação com a categoria. Essa proximidade, segundo ele, virá da abertura de canais de comunicação pelas redes sociais e de reuniões mensais no órgão.

Mesmo após a decisão do governo Michel Temer de subsidiar o diesel para segurar a cotação, a redução no preço dos combustíveis ainda é a principal reivindicação dos caminhoneiros brasileiros, de acordo com levantamento da Confederação Nacional do Transporte (CNT). Do total de entrevistados, 51,3% consideram essa demanda como a mais urgente da categoria.

O aumento e as oscilações no preço do diesel verificados no início do ano passado foram os principais motivos para a paralisação da categoria em maio, que comprometeu o abastecimento de dezenas de cidades e freou o crescimento da economia naquele período. Para pôr fim ao movimento, o governo tomou uma série de medidas, como a subvenção do preço do diesel, que venceu no fim de dezembro, e a criação da tabela de preço mínimo do frete.

O levantamento indicou que o segundo maior pleito dos caminhoneiros é a necessidade de ações para oferecer mais segurança nas rodovias (38,3%). Os financiamentos oficiais, a juros mais baixos, para a compra de veículos constam como demanda de 27,4% dos trabalhadores, seguidos do pleito por aumento do valor do frete (26,2%).

A pesquisa foi realizada entre 28 de agosto e 21 de setembro de 2018. Ao todo, foram entrevistados mais de mil profissionais em todo o país, sendo 714 autônomos e 352 empregados de frota.

 

 

 


Fonte: Valor Econômico