Clipping

Redução de área provocará queda na oferta de cana na próxima safra

Postado em 28 de Outubro de 2020

Setor poderá perder entre 150 mil e 250 mil hectares de canaviais em 2021/22

Na última segunda-feira (26), a Canaplan realizou um Webinar para reavaliar a safra canavieira 2020/21 no Centro-Sul do país e lançar um primeiro olhar sobre o próximo ciclo. Durante o evento, o diretor da consultoria, Luiz Carlos “Caio” Corrêa Carvalho, afirmou que, após um período conturbado no início do ano - puxado pela guerra dos preços do petróleo no mercado mundial e pela queda na demanda de etanol combustível -, o setor canavieiro nacional já começa a demonstrar sinais de reequilíbrio.

“Os preços do petróleo, açúcar e etanol já se recuperaram, sem falar que o câmbio passou a nos ajudar de forma extraordinária. Além disso, a China vem comprando grandes quantidades de açúcar, se mostrando uma forte parceira da economia brasileira. Esses fatos, aliados a melhoria sensível do valor do ATR (Açúcar Total Recuperável), acarretou uma virada de expectativa excepcional para o segmento.”

Com grande parte das usinas já encerrando suas safras, Caio Carvalho aponta que o ciclo 2020/21 deverá fechar em 595 milhões de toneladas de cana-de-açúcar processadas, com um ATR total de 143kg por hectare. A produção de açúcar totalizará cerca de 37,5 milhões de toneladas, enquanto a de etanol de cana, de 27,1 bilhões de litros. “Mesmo diante de tantas adversidades e com a severa estiagem registrada ao longo do ano, o setor mostrou alta resiliência e vai conseguir fechar a safra de forma positiva, inclusive com uma produtividade agrícola bem acima do registrado em ciclos anteriores.”

No entanto, o diretor da Canaplan relatou que o segmento deve esperar uma quebra de produção para o próximo ano, ocasionada pela redução da área cultivada com cana no Centro-Sul. De acordo com ele, a devolução de canaviais em função do alto custo de produção, migração de áreas para outros cultivos, menor replantio em 2020 e a nova onda de fusões e aquisições são fatores que levarão a uma redução de 150 mil a 250 mil hectares em 2021/22.”

“Caso a área seja diminuída em 150 mil hectares, a produção total da próxima safra deverá fechar entre 575 e 590 milhões de toneladas. Caso a saída seja de 250 mil hectares, o teto produtivo será de 583 milhões de toneladas.” Ainda segundo Caio, no melhor dos cenários, a produção máxima de açúcar no próximo ano será de 34,3 milhões de toneladas e a de etanol de cana, de 26,5 bilhões de litros.

 

 


Fonte: Canaonline