Clipping

Safra de cana em AL deve chegar a 17 mi de toneladas

Postado em 29 de Janeiro de 2021

Com mais de cinco meses de moagem, as usinas alagoanas revisaram a previsão inicial da safra 20/21 que era de 18 milhões de toneladas de cana para algo em torno de 17 milhões de toneladas processadas pelas unidades industriais do Estado.

“A safra alagoana entrou no terço final de sua moagem do período produtivo. Ela se apresenta com expectativa de uma provável repetição com certo acréscimo do volume de cana moída na safra passada. Nós processamos um número próximo a 17 milhões de toneladas de cana na safra 19/20 e, provavelmente, deveremos crescer um pouco mais ao término deste ciclo”, afirmou o presidente do Sindaçúcar-AL, Pedro Robério Nogueira.

De acordo com o dirigente do setor sucroenergético alagoano, a expectativa difere dos números que foram estimados no início da moagem em setembro passado. “Na ocasião, se apresentava um regime pluviométrico mais favorável ao desenvolvimento da cana-de-açúcar. Porém, com o primeiro trajeto da moagem, se constatou que a partir de novembro esse regime ficou mais escasso. Isso atrasou de forma importante o desenvolvimento da cana que será colhida até o próximo mês de março”, afirmou.

Para Nogueira, a escassez de chuva justifica a falta de incremento na intensidade que os empresários imaginavam ocorrer neste ciclo da cana em Alagoas.

“Entretanto, está sendo uma safra dentro do que se apresentava como perspectiva em plena pandemia da Covid. Estamos conseguindo desenvolvê-la com um certo grau de normalidade. Conseguimos manter as 15 unidades industriais em operação com emprego e comercialização plenos, além do atendimento de todos os contratos de açúcar para os mercados internacional e interno, assim como os compromissos com o etanol tanto local, quanto para fora de Alagoas. Em resumo, gostaríamos de poder termos ao final desta safra um crescimento mais vigoroso em comparação ao ciclo anterior. Cada vez mais fica mais claro que dependemos de uma regularidade hídrica. Com isso, é preciso intensificar os projetos de irrigação de canaviais. É esse grande projeto que os empresários alagoanos estão abraçando. O Sindaçúcar/AL tem percorrido os governos estadual e federal no sentido de ver implementado esse projeto para essa questão climática”, declarou.

Segundo o presidente do Sindaçúcar-AL, ainda no item etanol foi registrada uma queda importante de comercialização ainda decorrente do isolamento social provocado pela pandemia. “Com a redução da atividade social e econômica por ponta da pandemia”, finalizou.


Fonte: Assessoria - Jornal de Alagoas - retirado do Portal CanaOnline