Clipping

Sazonalidade na produção brasileira de líquidos de petróleo é impulsionada pelos biocombustíveis

A produção brasileira de etanol é sazonal e tipicamente atinge o pico durante o quarto trimestre (outubro a dezembro) de cada ano. O pico coincide com a colheita da cana-de-açúcar, principal matéria-prima utilizada na produção de etanol no Brasil. Essa produção sazonal de etanol combustível pode levar a variações mensais significativas na produção total de petróleo e outros líquidos do Brasil.

Como o Brasil responde por mais de 60% da produção total de petróleo e outros líquidos na América Central e na América do Sul, a sazonalidade da produção brasileira de etanol afeta toda a produção da região. O Panorama de Energia de Curto Prazo da EIA , que publica as perspectivas mensais para toda a produção na região, reflete essa sazonalidade.

O Brasil produziu 3,36 milhões de barris por dia (b / d) de petróleo e outros líquidos em 2017, dos quais quase 20% eram biocombustíveis (0,56 milhão b / d). A maior parte da produção brasileira de biocombustível vem do etanol e, em menor escala, do biodiesel. O Brasil é o segundo maior produtor mundial de etanol, atrás dos Estados Unidos.

A produção de etanol e biodiesel no Brasil durante os primeiros três meses de 2018 foi maior do que no mesmo período de 2017 devido aos baixos preços do açúcar. Os preços internacionais do açúcar caíram recentemente para seus níveis mais baixos desde 2015 e, como resultado, as usinas de açúcar brasileiras reduziram a produção de açúcar e aumentaram a produção de etanol, onde a demanda vem subindo.

A sazonalidade das safras de cana-de-açúcar significa que a produção de etanol no Brasil é mais baixa entre janeiro e março. O Brasil freqüentemente usa importações de etanol, tipicamente dos Estados Unidos, para preencher a lacuna de oferta durante esse período. Nos últimos anos, as secas no Brasil levaram a uma redução nos rendimentos da colheita da cana-de-açúcar e aumentos correspondentes nas importações brasileiras de etanol para satisfazer a demanda doméstica.

Em 2011, a combinação de uma safra relativamente pobre de cana-de-açúcar e altos preços do açúcar resultou em menor produção de etanol, o que levou a maiores importações de etanol dos Estados Unidos . As exportações de etanol combustível dos EUA para o Brasil aumentaram no final de 2017 e início de 2018, em parte devido às vantagens dos preços do etanol nos EUA e aos crescentes mandatos de mistura de etanol do Brasil .


Fonte: O Petróleo