Clipping

Segredos do milho poderiam melhorar biocombustíveis

Um estudo realizado por um grupo de cientistas da Universidade Estadual da Louisiana (LSU), nos Estados Unidos, descobriu que a estrutura molecular da planta do milho ainda guarda segredos que podem ajudar os especialistas a otimizar a produção de biocombustíveis. Publicado pela revista Nature, o trabalho apresenta detalhes de uma "arquitetura" interna desconhecida até agora.

Ele explica que, atualmente, "quase toda" a gasolina consumida no mundo contém cerca de 10% de etanol, enquanto um terço de toda a produção de milho dos EUA. destina-se a produzir esse álcool. "Se no final pudéssemos melhorar a eficiência da produção de etanol em 1% ou 2%, isso poderia trazer benefícios significativos para a sociedade", comenta.

O estudo foi o primeiro a analisar a um "nível atômico" um talo de uma planta de milho com tecnologias de alta resolução, especificamente um instrumento de espectroscopia de ressonância magnética nuclear, que exigem precisão. "Isso nos surpreendeu. Os resultados, de fato, contradizem os livros didáticos ", diz Tuo Wang.

"Podemos precisar fazer mais pesquisas para alcançar um maior grau de otimização nos métodos de produção de etanol, mas uma porta se abre para novas oportunidades de melhorar a maneira como processamos esse valioso produto. Por exemplo, ele acrescenta, será necessário "projetar enzimas ou substâncias químicas" capazes de "efetivamente quebrar o núcleo da biomassa" de uma planta, uma abordagem que pode ser aplicada às biomassas de outras plantas ou organismos.

 

 

 

 


Fonte: Agrolink