Clipping

Segunda quinzena de agosto registra mix de produção mais alcooleiro e crescimento nas vendas de etanol

A quantidade de cana-de-açúcar processada pelas unidades produtoras do Centro-Sul atingiu 38,91 milhões de toneladas na segunda quinzena de agosto, praticamente igual às 38,60 milhões de toneladas observadas no mesmo período de 2016.
Esse valor indica retração no ritmo de moagem em relação às últimas quinzenas. Na comparação com os primeiros 15 dias de agosto, por exemplo, a retração alcançou 14,06% (38,91 milhões de toneladas apuradas na segunda quinzena, contra 45,28 milhões verificadas na primeira metade do mês).

Do volume total de cana processada nos últimos 15 dias de agosto, 46,95% destinou-se à fabricação de açúcar, contra uma média de 50,32% nas quatro quinzenas anteriores.

Essa redução significativa no mix de produção para o açúcar retrata uma alteração no padrão de produção observado até o momento, o qual era influenciado, entre outros aspectos, pela necessidade de fabricação do produto para o atendimento dos contratos pré-estabelecidos.

A produção quinzenal de etanol, por sua vez, apresentou crescimento de 3,15% na segunda metade de agosto, com 1,77 bilhão de litros fabricados, sendo 749,44 milhões de litros de anidro e 1,02 bilhão de litros de hidratado.

No acumulado desde o início da safra 2017/2018 até 1º de setembro, a moagem totalizou 381,52 milhões de toneladas, queda de 3,62% em relação ao valor contabilizado até igual data do ciclo passado. Nesse mesmo período, a fabricação de etanol alcançou 15,29 bilhões de litros e a produção de açúcar somou 23,26 milhões de toneladas.

A concentração de Açúcares Totais Recuperáveis (ATR) por tonelada de matéria-prima atingiu 145,67 kg na segunda metade de agosto. No acumulado do início da safra 2017/2018 até 1º de setembro, esse indicador alcançou 131,99 kg por tonelada, pequena alta de 0,95% em relação aos 130,75 kg apurados até igual data de 2016.

O volume de etanol comercializado pelas produtoras do Centro-Sul atingiu 1,27 bilhão de litros na segunda quinzena de agosto, sendo 116,63 milhões de litros direcionados à exportação e 1,16 bilhão ao mercado doméstico.

Estas vendas de etanol ao mercado interno indicam um crescimento de 11,77% na comparação com a quantidade comercializada nos primeiros 15 dias de agosto, além de constituir o maior volume quinzenal vendido nos últimos 12 meses.

Do total comercializado domesticamente, 433,93 milhões de litros foram de etanol anidro (alta de 11,10% em relação a primeira quinzena de agosto) e 722,41 milhões de litros de hidratado - surpreendente crescimento de 12,17% ou 78,37 milhões de litros na comparação com o volume comercializado nos primeiros 15 dias do mês.

No total de agosto, as vendas do biocombustível no Centro-Sul atingiram 2,39 bilhões de litros, dos quais 2,19 bilhões foram direcionados ao mercado interno. Desse volume comercializado domesticamente, 1,37 bilhão de litros foram de etanol hidratado - aumento mensal de 23,05% comparativamente ao volume vendido em julho de 2017.

A mudança nas vendas de etanol se deve, em outros fatores, à menor oferta do produto importado; aos ajustes no preço de realização da gasolina pura na refinaria; às alterações nos tributos sobre os combustíveis; à uma provável recuperação no consumo global de combustíveis leves no País; e para uma eventual antecipação na compra das distribuidoras.


Fonte: ÚNICA