Clipping

Semente de Carinata está sendo utilizada na produção de biocombustível nos Estados Unidos

Um novo produto está sendo estudado nos Estados Unidos para contribuir com o mercado de biocombustíveis. No estado do Alabama, por exemplo, uma nova pesquisa revelou que a chamada Carinata, uma oleaginosa parecida com a Canola, pode ser utilizada para produzir um biocombustível de alta qualidade.

O agente regional do Sistema de Extensão Cooperativa do Alabama, Christy Hicks, destacou que há muita excitação em torno da área contratada de carinata no estado, pois os produtores estão investindo cada vez mais na planta. “Os produtores de colheitas em fileiras estão sempre procurando oportunidades para aumentar a produtividade” explicou ele. 

Produzida no inverno, a carinata tem sido grande saída para a produção de rações para gado e produção de combustível sustentável. “Muitos dos produtores que contraíram a área de carinata buscaram alternativas para cultivar o trigo exclusivamente de inverno. A safra é uma excelente adição às rotações que permitirão aos produtores diversificar sua renda de inverno " ressaltou Hicks.

De acordo com os especialistas a Carinata possui uma safra extremamente resistente, algo muito bom para as regiões mais frias dos Estados Unidos. A Carinata é rica em ácido glucosinólico, um dissuasor natural para nemátodos e outros agentes patogênicos e insetos. A adaptabilidade da cultura a diferentes ambientes também é benéfica. Enquanto Carinata é uma safra de temporada legal nos estados do sul, é uma safra de verão em vários estados do meio-oeste na visão deles. 

Para Jeff Klingenberg, vice-presidente de agronomia e criação de plantas da Agrisoma Biosciences do Alabama os mercados de petróleo precisam de uma fonte de óleo essencial para o combustível para jatos e a Carinata é ótima para isso. "Carinata é rico em ácido erúcico que é bom para o combustível e não para o consumo de alimentos", disse ele. "A Carinata tem um perfil de ácidos graxos de cadeia de carbono mais longa do que a canola e melhora a eficiência nos processos de conversão de combustível” explicou ele. 

Por Thayssen Carvalho


Fonte: Biomassa BR