Clipping

Setor de biocombustíveis dever favorecido com tecnologia da Embrapa

Embrapa Agroenergia apresenta tecnologia capaz de favorecer a cadeia produtiva de biocombustíveis

Uma nova tecnologia está sendo desenvolvida pela Embrapa Agroenergia para contribuir com o setor de biocombustíveis e de nutrição animal. 

Com o objetivo de desintoxicar o caroço do algodão e permitir que o mesmo seja usado na ampliação da cadeia produtiva de biocombustíveis, bioprodutos e de alimentos, a nova pesquisa já está em fase de escalonamento de produção, a qual serve para ganhar mercado. 

A pesquisa foi trabalhada em cima do cultivo de cogumelos, os quais cresceram sobre o caroço do algodão. 
Durante as analises foi possível perceber que a planta conseguiu reduzir significativamente a toxidez do algodão, permitindo que ele fosse usado na alimentação de bovinos, aves e também suínos. 

Ao serem analisados, os cogumelos também apresentaram uma boa capacidade para retirar a toxidade do chamado pinhão-manso, o qual é bastante utilizado na produção óleo e bioprodutos. 

A análise feita no pinhão mostrou que os cogumelos conseguiram retirar até 99% do conteúdo tóxico de forbol. 

De acordo com os especialistas da Embrapa Agroenergia os cogumelos são considerados macrofungos capazes de biotransformar os compostos tóxicos e convertê-los a outros tipos de moléculas. A Embrapa acredita que o cultivo dos cogumelos pode resolver o problema de toxidade, além de também contribuir para a integração entre as cadeias produtivas de biocombustíveis, bioprodutos e alimentos. 
 


Fonte: Biomassa BR