Clipping

Sistema de Plantio por Meiosi leva vantagem em relação à Cantosi

Postado em 15 de Abril de 2019

Há sete anos, chegavam ao mercado canavieiro nacional as Mudas Pré-Brotadas (MPBs). Um sistema idealizado para modernizar o plantio de cana-de-açúcar. A tecnologia restaura os benefícios da formação de mudas em viveiros, contribuindo para reduzir as ocorrências de pragas e doenças na implantação do canavial pelo uso de mudas sadias. Além disso, o sistema possibilita introduzir novas variedades mais rapidamente, reduzir custos de produção (seja de transporte ou na quantidade de mudas que vai no plantio) e replantar falhas com muito mais eficiência. E propiciam canaviais com alta produtividade por muito mais cortes.

Com a introdução da MPB ressurgiram dois sistemas de plantio: Cantosi e Meiosi.  “Cantosi é como chamamos os viveiros cultivados em um canto das áreas (cerca de 20% do espaço) que serão reformadas e que se encontram distantes da área de fornecimento de cana-muda. Assim, passa-se a ter muda próximo ao local do plantio comercial. As mudas são plantadas com entrelinhas de 1,50m”, explica Nilton Degaspari, gerente de desenvolvimento de mercado da BASF, empresa que oferece ao mercado o sistema AgMusa™ de muda de cana sadia. 

Já a Meiosi (Método Interrotacional Ocorrendo Simultaneamente) é um conceito criado na década de 1980, mas que caiu em desuso em função da falta de tecnologia que permitisse que o sistema fosse implantado com eficiência. Mas o desenvolvimento recente das MPBs e a evolução da agricultura de precisão permitem a implantação eficiente da Meiosi.

No sistema de Meiosi + MPB, planta-se uma ou duas linhas de mudas pré-brotadas numa área de reforma de canavial e deixa-se um espaço entre as linhas, que será plantado com alguma cultura de interesse econômico (soja ou amendoim) e/ou agronômico (crotalária). Após a colheita dessa lavoura, as linhas de cana serão cortadas e desdobradas nessa área adjacente. A taxa de multiplicação dependerá do tratamento dado as linhas de cana e da expertise com o sistema. Existem produtores, que já conseguem altas taxas de multiplicação, como é o caso de Ismael Perina Jr, de Jaboticabal, SP, (pioneiro na adoção do sistema Meiosi + MPB que já alcança taxa de 1:44, ou seja, 1 linha de cana fornecerá cana-muda para o plantio de outras 44 linhas. Entretanto, as taxas mais comuns de serem alcançadas ficam entre 1:13 e 1:20.

Degaspari comenta que a decisão por implantar um ou outro sistema fica a cargo do interessado, mas salienta que, o plantio mais econômico, que oferece melhor custo-benefício é a Meiosi. “Oferece maior relação de desdobra, atingido níveis elevados, quando plantado no segundo e terceiro trimestre do ano; possibilita o plantio intercalar de soja e amendoim; disponibiliza áreas de plantio, tornando uma fonte rentável de recurso para pequenos e médios produtores de cana; facilita o rouguing, por ser uma linha distante da outra; tem forte apelo social de distribuição de renda; além de ser mais sustentável, pois se emprega o mínimo de maquinas, com baixa emissão de carbono, pois as mudas estão no local e são colhidas e distribuídas manualmente dentro do sulco.”

Tanto a Meiosi como a Cantosi obterão melhores taxas de desdobra, quando plantadas no primeiro e segundo trimestre do ano. Estimativas apontam que os produtores que adotarem a dobradinha Meiosi + MPB terão redução nos custos de plantio na ordem de R$ 2500,00 por hectare, devido ao menor uso de mudas, receita na cultura intercalar e maior quantidade de cana entregue à indústria, pois a cana que seria plantada será industrializada, gerando receita ao produtor.

Por Leonardo Ruiz

 


Fonte: CanaOnline