Clipping

Sistema interligado de energia abastece e beneficia o País

Para Ildo Sauer, importação de energia por São Paulo não é um problema, já que a produção autônoma seria mais cara

De acordo com informações da Secretaria de Energia e Mineração do Estado de São Paulo, o Estado importa cerca de 60% da energia que consome. A produção anual é de aproximadamente 50 mil GWh, contudo o consumo chega a 130 mil GWh. Isso acontece por conta da forma como o sistema energético funciona no País, através da integração entre os Estados pelo Sistema Interligado Nacional (SIN), que congrega  produção e transmissão elétrica.

O professor Ildo Sauer, do Instituto de Energia e Ambiente (IEE) da USP, argumenta que produzir a energia elétrica em São Paulo custaria muito caro, já que a economia paulista está interligada ao resto do País. De acordo com ele, para a produção de energia autônoma acontecer, o Estado precisaria investir na construção de hidrelétricas, o que seria mais custoso.

O Estado também se destaca na produção de bioeletricidade advinda da cana-de-açúcar. Em 2017, São Paulo foi responsável pela produção de 47% da produção dessa forma de energia, de acordo a União da Indústria da Cana-de-Açúcar (Unica). Para Sauer, a produção de energia elétrica, a partir da biomassa, também beneficia o País.

Por Bruna Caetano - Editorias: Atualidades, Rádio USP


Fonte: Jornal da USP