Clipping

Tereos demonstra sua capacidade de antecipação estratégica e a qualidade dos resultados operacionais no ano fiscal de 2018/19

Postado em 13 de Junho de 2019

A Tereos anuncia um plano de evolução da parceria em álcool e em produtos de amido com a ETEA.

86% dos resultados operacionais do Grupo (EBITDA) resultaram dos negócios internacionais de açúcar e dos negócios de amido. A atividade açucareira europeia representou 14%, afetada pela liberalização do mercado europeu do açúcar.

Os resultados operacionais positivos de todos os negócios (incluindo o Açúcar Europa) nos quatro trimestres do ano demonstram a resiliência do modelo operacional flexível desenvolvido pela Tereos e seu know-how na execução dos planos de desempenho (Ambitions 2022).

Uma estratégia voltada para o futuro, baseada em fundamentos promissores: 30% das vendas do Grupo vêm de países emergentes, que apresentam forte tendência de crescimento; foco no desenvolvimento das atividades de proteína vegetal; e fortalecimento das opções nutricionais para os consumidores.

Plano de evolução para parceria com a ATEA

A Tereos anunciou hoje, dia 12/06, um plano para evoluir sua parceria com a ETEA a fim de impulsionar sua posição nos setores de álcool e de produtos de amido. O negócio fortalecerá estrategicamente as operações industriais e comerciais das atividades da Tereos nesses setores na Europa.

A operação consiste em (i) recomprar a participação de 50% da ETEA na Sedalcol França (destilaria de Nesle) e (ii) vender à ETEA os 50% do grupo Tereos na Sedamyl e Sedalcol UK (unidades industriais de Saluzzo, Itália, e Selby, no Reino Unido). Este acordo está sujeito aos procedimentos de informação e consulta aos representantes dos trabalhadores envolvidos e espera-se que seja concluído ao longo do verão do hemisfério norte de 2019.

Com este acordo, o Grupo alcançará uma redução da dívida líquida da ordem de " 220 milhões e vai gerar um ganho de capital estimado em aproximadamente " 140 milhões. Os impactos estimados até o momento são apresentados na tabela abaixo:


Resultados anuais

Na Europa, a liberalização do mercado, a partir de outubro de 2017, levou os preços a níveis historicamente baixos. O ano fiscal de 2018/19 também foi caracterizado por preços mundiais do açúcar em um nível baixo. Este exercício também coincidiu com condições climáticas particularmente adversas em muitas áreas de produção de beterraba e cana-de-açúcar.

Os volumes produzidos em nossas operações de amido, no entanto, aumentaram em 8%, graças à qualidade dos resultados operacionais e de vendas.

As receitas consolidadas do Grupo atingiram " 4,438 bilhões, redução de " 334 milhões no ano fiscal de 2018/19, seguindo a queda nos preços do açúcar, especialmente na Europa, e a redução nos volumes de açúcar produzidos, resultado de condições climáticas particularmente desfavoráveis na maioria das regiões produtoras.

O EBITDA ajustado foi de " 275 milhões em 2018/19 (uma queda de " 320 milhões em comparação com 2017/18). Este declínio deve-se quase inteiramente à forte queda nos preços do açúcar na Europa e nos mercados mundiais, bem como à queda nos volumes produzidos. Custos indiretos e de distribuição caíram US$ 10 milhões.

Os resultados de 2018/19 beneficiam-se da estratégia de diversificação e internacionalização do Grupo: o EBITDA ajustado gerado fora da divisão Açúcar Europa representa mais de 86% do total do Grupo no ano fiscal 2018/19, comparado aos 70% no exercício anterior.
Por fim, a dívida líquida atingiu " 2,5 bilhões (contra " 2,350 bilhões em 31 de março de 2018) e " 2,121 bilhões, excluindo os estoques imediatamente comercializáveis. Incluindo o efeito da transação com a ETEA, a dívida líquida do Grupo em 31/03/2019 é de " 2,280 bilhões (" 1,901 bilhões excluindo os estoques imediatamente comercializáveis).


Perspectivas

A Tereos tem um modelo operacional flexível que demonstrou sua resiliência, principalmente no segundo semestre do ano, com resultados operacionais positivos na Europa nos quatro trimestres do ano. O Grupo está preparado para adaptar, rapidamente, sua produção às condições de mercado.

Açúcar Europa: o primeiro semestre da safra 2019/20 segue alinhado com a tendência do segundo semestre do período anterior. No entanto, a Tereos está bem posicionada para se beneficiar da recuperação dos preços do açúcar no segundo semestre do ano. De fato, os preços do açúcar spot já se recuperaram em 33% depois do fim do ano fiscal. Graças a um nível quase estável de plantio (-5%), a Tereos deve se beneficiar de melhores volumes de produção do que no ano passado.

Produção de açúcar e etanol no Brasil: a safra está em condições normais, com previsões de cana alinhada às médias históricas, graças principalmente às boas chuvas em março e abril. O mercado de etanol vem crescendo em ritmo dinâmico, impulsionado pelo alto consumo e pelo baixo nível de estoque, devido ao início tardio da safra brasileira. Com relação ao açúcar, o Brasil deverá se beneficiar do déficit na produção mundial previsto entre outubro de 2019 e setembro de 2020, após um período de redução dos estoques.

Após um ano caracterizado pelo aumento de volumes, a divisão de amido e adoçantes dará continuidade a esta tendência e deverá se beneficiar de uma maior demanda. Além disso, os resultados dessa divisão se beneficiarão da integração dos ativos da Sedalcol France, acompanhando a evolução da parceria com a ETEA, bem como com o ganho de capital gerado pela transação.

Neste contexto, a Tereos continuará contando com sua estratégia de diversificação e com os ganhos de desempenho do programa Ambitions 2022, que visa gerar mais de " 200 milhões em ganhos operacionais. Baseado neste objetivo e nos preços atuais do mercado, a Tereos estima que seu EBITDA normativo até o final deste plano (2022) deve ser entre " 600 milhões e 700 milhões.

Além disso, o Grupo continua suas avaliações sobre uma possível abertura do capital das atividades industriais para um horizonte de 2 ou 3 anos, conforme anunciado no ano passado.

Sobre tais resultados, François Leroux, presidente do Conselho de Administração da Tereos, afirmou: "O modelo Tereos demonstrou resiliência no contexto da crise do açúcar na Europa.

Este ano crítico de transformação estrutural dos nossos mercados permitiu validar a estratégia do nosso Grupo. Também testou e demonstrou a validade do modelo de diversificação e internacionalização que começamos a implementar há muitos anos, assim como a boa gestão da empresa, que continua a melhorar o seu nível de eficiência operacional e comercial ano após ano."

Para Alexis Duval, diretor-presidente da Tereos: "A resiliência das atividades europeias do Grupo em um ano marcado pelo fim das cotas mostra que a Tereos capitalizou sua experiência anterior de transformação e adaptação a um contexto de mercado liberalizado no Brasil. Além disso, nossa capacidade de nos reposicionar em mercados promissores, como é o caso das novas soluções adoçantes ou das proteínas vegetais, bem como nosso programa de competitividade Ambitions 2022 nos permite olhar com confiança para o futuro e ter otimismo na nossa capacidade de continuar a nos adaptar a esse ambiente em profunda transformação."

 


Fonte: Assessoria de Imprensa Tereos