Clipping

Terminal em Santos recebe 16% mais cargas via ferrovia com avanço do agro

Postado em 28 de Abril de 2021

O total de cargas movimentadas no Tiplam (Terminal Integrador Portuário Luiz Antonio Mesquita), na Baixada Santista, apresentou crescimento de 16,3% em 2020, em comparação com o ano anterior, com o impulso do transporte de grãos e açúcar pelas ferrovias. Administrado pela concessionária VLI, o terminal em Santos movimentou 12,6 milhões de toneladas, entre grãos, açúcar e fertilizantes em todo o ano passado.

Um estudo concluído no ano passado pelo Instituto de Engenharia, organização com mais de cem anos de atuação, mostrou que o caminho para o escoamento da produção do agronegócio nacional é o investimento no desenvolvimento ferroviário do país. Juntos, mostra o estudo, o agro e as ferrovias podem contribuir para o crescimento da economia nacional, gerando empregos, reduzindo custos –em relação ao sistema rodoviário, emissão de gás carbônico e perdas–, e ampliando a capacidade de transporte devido ao tamanho das composições, diz o instituto.

O volume transportado pela VLI representa 1,7 milhão de toneladas a mais que o total de 2019, que alcançou 10,9 milhões de toneladas. Em comparação com 2018, o avanço é de 31,4% (9,6 milhões de toneladas). De acordo com a concessionária, só o volume de soja, milho e açúcar exportados a partir do terminal superou 8 milhões de toneladas, ou 63,5% do total acumulado no ano passado.

A VLI informou, por meio de sua assessoria, que a integração com o modal ferroviário torna o processo de escoamento de produtos mais ágil e permite que o terminal receba, diariamente, três composições, cada uma delas com 80 vagões. A alta foi puxada pelo avanço de 26,7% na movimentação de soja, que alcançou 2,5 milhões de toneladas, e de açúcar, que cresceu 29,9% -chegou a 3,9 milhões de toneladas.

A safra de cana-de-açúcar 2020/21 viu, nas usinas do centro-sul do país, a produção de etanol recuar 8,7% devido às restrições de circulação provocadas pela Covid-19 e, ao mesmo tempo, aumentar a fabricação de açúcar. Com preços mais atrativos, uma parcela maior de cana em comparação à safra passada foi destinada a produzir açúcar, cuja fabricação alcançou 38,46 milhões de toneladas no último dia 31 de março. Isso representa 43,73% mais que as 26,76 milhões da safra passada.

Segundo a VLI, a concessionária é responsável por movimentar 25% do açúcar exportado a partir do porto de Santos. Dois armazéns de açúcar, construídos em parceria com a Tereos no Tiplam e no terminal em Guará, na região de Barretos, têm capacidade de 240 mil toneladas e foram vistos como essenciais para a ampliação das exportações. O investimento nos armazéns superou R$ 200 milhões.


Fonte: FolhaPress