Clipping

Usina de cana usa blockchain para rastrear açúcar e calcular emissão de crédito de descarbonização

Postado em 27 de Maio de 2021

A Usina Granelli, que fica em Charqueda (SP), há 200 quilômetros de São Paulo, em duas a três semanas vai lançar um açúcar mascavo rastreado em blockchain. E está integrando a tecnologia ao Renovacalc, calculadora para emissão de crédito de descarbonização (CBIos).

A usina calcula que poderá cobrar mais pelo açúcar por conta da maior confiança no processo, já que é rastreado. Em especial em mercados no exterior.

“Agora, temos que concluir duas coisas ao mesmo tempo: finalizar a fábrica do açúcar e começar a rodar o sistema de rastreabilidade. É um desafio fazer isso com duas coisas tão diversas”, disse ao Blocknews Mariana Granelli, diretora jurídica da usina.

A Granelli é uma usina de pequeno porte, afirma Mariana. Processa 360 mil toneldas de cana-de-açúcar ao ano, sendo metade produção própria. Hoje, fabrica etanol, cachaça, açúcar vhp (tipo exportação), demerara, mascavo e xarope.

Blockchain para rastrear açúcar deve agregar valor
A empresa está testando blockchain num projeto da Cooperativa dos Plantadores de Cana do Estado de São Paulo (Coplacana). A tecnologia está em desenvolvimento pela Embrapa Informática Agropecuária de Campinas (SP). A plataforma é a Ethereum. Há outros dois testes também no interior do estado.

A empresa já vende açúcar mascavo, que levou quase quatro anos para ser desenvolvido. O produto sai com a marca Granelli. A Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) ajudou a criar um padrão para o produto.

Isso inclui, por exemplo, sabor, cor, docilidade e como deve derreter na boca. Esse tipo de açúcar costuma ser feito de forma manual e não ter padrão. Na Granelli, a produção é industrial e com co-geração de energia a partir de resto de cana.

Mas, o açúcar que blockchain vai rastrear sairá com a marca Terras do Paraíso, terá um código QR de rastreabilidade e o selo “Tecnologia Embrapa”. No entanto, a ideia é conseguir ainda outros selos. Isso inclui, por exemplo, o de alimento kosher (da comunidade judaica), de halal (da muçulmana) e de vegano.

A Embrapa vai receber um percentual sobre do valor agregado que seu selo gerar, disse Mariana. A empresa ainda não fechou esse valor adicional, mas acredita que é possível porque o mercado externo valoriza o diferencial. Isso porque fora do país há mais leitura de rótulo, além de preocupação com os métodos de produção de alimentos.

Com a evolução do projeto, que a Embrapa pretende expandir para milho e soja, a empresa de pesquisa poderá licenciar a plataforma para quem usá-la, por exemplo. Seria uma forma de remuneração, diz Alexandre de Castro, pesquisador da instituição.

Ministério se interessou pela tecnologia para emissão de CBios
Mariana, que está à frente do projeto, disse que achou simples usar blockchain. E que o projeto chamou a Ministério de Minas e Energia sobre o potencial uso dos dados de rastreabilidade na Renovacalc.

Em 2020, com tratativas da cana surgiu a importância de rastreabilidade dentro do Renovabio, disse Castro ao Blocknews. O programa tem o objetivo de aumentar a produção de biocombustível no país. Mas, hoje, a calculadora é em planilhas Excel.

Por isso, o teste é para verificar se é possível fazer com que “as informações fluam e não seja necessário subir um relatório e digitalizar os dados”, disse Mariana. Portanto, busca-se integrar os dados do açúcar mascavo na blockchain da Embrapa com o Renovacalc.

Assim, a calculadora ganha mais simplicidade, segurança e agilidade na validação de dados. A usina faz o teste mas ainda está em processo de certificação para a Renovabio. O ministério está acompanhando esse processo, segundo a diretora.

Ocorre que rastrear terceiros que fornecem para as processadoras agrícolas é uma tarefa muito complicada, diz Castro. Na cana-de-açúcar, cerca de 50% do que as usina moem vem de fornecedores diretos.

Porém, em soja e milho o percentual é de apenas 10%, num cálculo otimista. E esses terceiros têm receios de fornecer seus dados. Só que sem seus dados, é impossível considerá-los para os CBios.

A parceria da Coplacana com a Embrapa aconteceu em 2019 e foi a primeira da cooperativa com foco em pesquisa em seus mais de 70 anos. Aconteceu por conta da percepção de que em 2030 a produção vai ter ainda mais tecnologia, de acordo com Francisco Severino, gerente técnico corporativo da Coplacana.

Por Claúdia Mancini

 


Fonte: BlockNews - retirado do Portal CanaOnline