Clipping

Usinas de cana-de-açúcar de MS mantêm moagem mesmo sob chuvas

Produção na última quinzena de outubro foi 4,2% maior na comparação com o mesmo período de 2017; mas concentração de açúcar por tonelada caiu

Mesmo sob chuva, a moagem de cana-de-açúcar em Mato Grosso do Sul na segunda quinzena de outubro foi de 2,2 milhões de toneladas, volume 4,2% maior que o registrado no mesmo período de 2017. Já a concentração de ATR (açúcares totais recuperáveis) por tonelada foi de 134,94 kg, total 3,8% inferior ao registrado na última quinzena de outubro de 2017 –que foi de 140,29 kg.

Conforme a Biosul (Associação dos Produtores de Bioenergia de Mato Grosso do Sul), no acumulado de abril a outubro, foram processados 38,4 milhões de toneladas de cana, 1,2% a menos que a safra anterior.

Os últimos 15 dias de outubro registraram 306 milímetros de chuvas na Grande Dourados –uma das mais importantes regiões produtoras do Estado–, ou 156 milímetros a mais que a média dos últimos dez anos. Mesmo com o excesso pluviométrico, o presidente da Biosul, Roberto Hollanda Filho, afirma que foi possível manter o ritmo de produção.

“O regime de distribuição de chuvas permitiu a mesma performance de moagem nos últimos 15 dias de outubro, mantendo o volume um pouco maior comparado ao ano passado, no entanto, o efeito da chuva aparece na qualidade da matéria prima, onde temos quase cinco quilos de açúcar a menos extraído da cana”, explicou ele, justificando a queda no ATR por tonelada.

Etanol – Na mesma quinzena, a produção de etanol hidratado no Estado foi de 115 milhões de litros, 16% acima do registrado em igual período de 2017. Quanto ao etanol anidro, foram 41 milhões de litros, volume 4% superior –em 2017, a produção foi de 39 milhões de litros.

Segundo a Biosul, no acumulado da safra, a produção de etanol hidratado mnteve o viés de crescimento, com 1,9 bilhão de litros (aumento de 41%). Já o etanol anidro teve queda de 18% de abril a outubro, totalizando 626 milhões de litros. Os 2,6 bilhões de litros combinados representam aumento de 20% na comparação com o ciclo anterior.

Açúcar – Se o etanol segue em evolução, a produção de açúcar mantém o viés de baixa. A Biosul registrou, na última quinzena de outubro, fabricação de 38 mil toneladas, ou 28 mil a menos que na mesma quinzena de 2017. No acumulado do ano, foram 812 mil toneladas, baixa de 40% na comparação com o ano passado –os preços do produto enfrentaram baixa em boa parte do ano no mundo.

Desta forma, o mix da produção mantém um perfil alcooleiro: 87% da produção foi de etanol e 13% de açúcar. No ano passado, a paridade foi de 84% para 16% em favor do combustível.

 


Fonte: Campo Grande News