Clipping

Vendas de etanol recuperam em MG e no país

Postado em 5 de Novembro de 2020

Minas Gerais apresenta o quinto mês seguido de alta na demanda por etanol, chegando a 245,845 milhões de litros vendidos em setembro. Comparado a agosto, com um consumo de 224,458 milhões de litros, ocorreu uma alta de 10%. Porém, comparado com setembro do ano passado, com uma venda de 271,952 milhões de litros, a queda foi também de 10%. No acumulado do ano já foram vendidos 1.944.296 litros, 15,6% menor que o mesmo período do ano anterior, quando o consumo ficou em 2.306.442, segundo informações da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP)

O ciclo otto (consumo de etanol+gasolina) em Minas Gerais no acumulado de janeiro a setembro teve uma queda de 9,2% na comparação com o mesmo período do ano passado. Uma queda menor que no Brasil, que foi de 11,1%.

Já no país as vendas de etanol hidratado em setembro continuaram em forte recuperação e atingiram 1,7 bilhão de litros, maior patamar desde o início da pandemia. Em relação a agosto houve crescimento de 8,3%, mas ante setembro do ano passado o volume ainda foi 9,2% menor.

Foi o melhor mês de consumo doméstico desde fevereiro (1,8 bilhão de litros), quando a pandemia ainda não havia afetado o mercado. Na comparação com a média mensal de março a agosto, o incremento em setembro foi de 17,9%, como realçou a União das Indústrias de Cana-de-Açúcar (Unica).

Em 12 Estados do país, o consumo de etanol em setembro já foi maior que no mesmo mês de 2019. Os destaques foram as regiões Norte e Nordeste do país, onde as vendas de hidratado cresceram 9,8% e 1% na comparação anual, respectivamente.

Nos nove primeiros meses do ano, as vendas do biocombustível chegaram a 13,7 bilhões de litros, uma queda de 16% ante o mesmo período de 2019. Mesmo assim, segundo a Unica, foi o segundo melhor mais bem resultado da série histórica para o período.

O etanol manteve sua participação no ciclo Otto em 47% de janeiro a setembro, pouco abaixo da fatia de 48,2% registrada em igual intervalo de 2019.

 


Fonte: Gerência de Comunicação SIAMIG / Valor Econômico